EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Tropas ucranianas impacientes por mais armas ocidentais

Soldados ucranianos na região de Donetsk
Soldados ucranianos na região de Donetsk Direitos de autor ANATOLII STEPANOV/AFP or licensors
Direitos de autor ANATOLII STEPANOV/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No terreno, forças de Kiev sublinham urgência de concretização de promessa de mais armamento por parte da NATO

PUBLICIDADE

A Ucrânia mantém a controfensiva face às tropas russas, nomeadamente na região de Bakhmut e nas cidades ocupadas de Berdiansk e Melitopol. 

Mas, apesar do fornecimento de armas do Ocidente, muitos dos combates são ainda conduzidos com equipamento da era soviética. No terreno, os soldados frisam a urgência da concretização da promessa de mais armas por parte da NATO.

Volodymyr, líder da 59a. Brigada Ucraniana:"Aprendemos bastante. E já podemos ensinar aos outros. Penso que os países que nos deram armas já viram como elas funcionam e como podem ser coordenadas na nossa área de treino. Por isso, representaremos uma grande vantagem para eles e vamos ajudar-nos mutuamente."

A decisão dos Estados Unidos de providenciar bombas de fragmentação gerou controvérsia entre os aliados, mas os soldados ucranianos saudam a promessa.

"Igor", oficial ucraniano:"Penso que devemos usar todos os tipos de armas para nos defendermos. Não estamos a lutar no território deles, estamos a defender o nosso território e queremos libertá-lo. Queremos empurrá-los de novo para trás da fronteira, expulsar o mal e eles que façam o que quiserem no seu território."

O Exército ucraniano afirmou ter destruído esta quinta-feira pelo menos duas dezenas de drones de fabrico iraniano usados pela Rússia em ataques direcionados à região de Kiev.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia já recebeu as bombas de fragmentação americanas e Putin manifesta-se

Controversa lei de mobilização entra em vigor na Ucrânia

Guerra na Ucrânia: dez mil pessoas obrigadas a abandonar Kharkiv