EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Julho é o mês mais quente da História desde que há registos

Mês de julho colecionou recordes e agora bate também o do mês mais quente da História
Mês de julho colecionou recordes e agora bate também o do mês mais quente da História Direitos de autor Charlie Riedel/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Charlie Riedel/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Anúncio partiu de um climatólogo da Universidade de Leipzig, na Alemanha

PUBLICIDADE

Julho é o mais quente jamais registado na História. O anúncio foi feito hoje pelo climatólogo Karsten Haustein, da Universidade de Leipzig, na Alemanha.

O sétimo mês de 2023, já marcador por diversos recordes de temperatura alta em várias cidades do mundo, poderá ser também o mais quente dos últimos 120 mil anos.

Alguns dos máximos que foram registados este mês:

52,9 graus Celsius na China

48,2 graus Celsius na Sardenha

39,6 graus à noite na Argélia

E a temperatura do mar de 37,2 graus na Flórida.

Há algum tempo que este processo está em crescendo. Se se usar um gráfico, pode-se observar que as temperaturas diárias da superfície global este ano, desde janeiro, estão acima da média durante todo o ano e atingem um pico em julho.

Este novo recorde histórico é, na verdade, o ponto culminante das ondas de calor que vimos em terra e também nos oceanos. 

De acordo com a diretora-adjunta do Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus, Samantha Burgess, "Todo esse ar quente adicional e a água quente da superfície estão a retro alimentarse. Portanto, estamos vendo temperaturas recordes mais quentes do que nunca".

Apesar de haver quem considere que 2023 será mais quente porque o fenómeno El Niño está de volta ao Pacífico - parte de um ciclo natural do nosso planeta - os cientistas dizem que é muito cedo para isso:

"Ainda não é o El Nino. Portanto, a expectativa é que, com o desenvolvimento do El Niño, tenhamos temperaturas ainda quentes. E a expectativa é que as temperaturas para 2024 possam ser ainda mais quentes," explica Samantha Burgess.

De fato, a previsão sazonal para o resto do ano mostra que as temperaturas terrestres continuam acima da média.

Então, o que podemos fazer?

Os líderes mundiais terão que agir rapidamente nas cimeiras do G20 e da COP28 para reduzir as emissões de CO2 e metano na atmosfera o mais rápido possível. Isso diminuirá a percentagem de aquecimento.

Mas não há remédio imediato. O calor e os extremos climáticos que estamos a enfrentar permanecerão connosco nas próximas décadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Planeta Terra chegou à "era da ebulição global", alerta ONU

Arménia: pelo menos 4 mortos em inundações

Sequoia gigante inspecionada para detetar ameaças de insetos