EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Assassino de judeus pode ser o primeiro condenado à morte da presidência de Joe Biden

A sinagoga "Árvore da Vida", em Pittsburgh, nos Estados Unidos
A sinagoga "Árvore da Vida", em Pittsburgh, nos Estados Unidos Direitos de autor AP Photo/Gene J. Puskar
Direitos de autor AP Photo/Gene J. Puskar
De  Francisco Marques
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A votação do jurados foi unânime e por isso vincula a sentença do juiz a ser anunciada esta quinta-feira contra o antissemita Robert Bowers

PUBLICIDADE

O assassino do ataque a uma sinagoga nos Estados Unidos em 2018 foi condenado à morte por um júri federal esta quarta-feira.

A decisão do júri foi unânime e por isso é vinculativa. Esta quinta-feira, um juiz distrital deve confirmar a sentença à morte de Robert Bowers, um cidadão norte-americano de 50 anos considerado culpado em junho de mais de 60 de crimes de ódio, incluindo o assassinato de 11 judeus na sinagoga "Árvore da Vida", em Pittsburgh, há cinco anos.

Os advogados de defesa não contestaram o plano e a execução por Bowers do ataque à sinagoga, mas argumentaram que o réu sofre de uma doença mental e que estaria a delirar quando avançou contra os judeus.

O ato de Bowers é considerado, pelo jornal New York Times, o ataque antissemita mais grave da História dos Estados Unidos.

A ser confirmada pelo juiz Robert Colville, esta será a primeira condenação à morte nos Estados unidos desde que o democrata Joe Biden foi eleito presidente, em novembro de 2020.

A pena capital está no entanto a ser revista pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, que instaurou uma moratória à lei, e ainda não é certo que Bowers venha a ser mesmo executado.

A abolição da pena de morte foi uma das promessas eleitorais de Biden.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europa homenageia judeus assassinados na Noite dos Cristais que deu início ao Holocausto

Stoltenberg diz que 23 países da NATO vão atingir limite mínimo de despesa militar

Biden apoia o filho após condenação, mesmo sem indulto. "Estamos orgulhosos do homem que ele é hoje"