Última hora

Trump lamenta "ódio" no país no rescaldo de tiroteio em sinagoga

Trump lamenta "ódio" no país no rescaldo de tiroteio em sinagoga
Tamanho do texto Aa Aa

Donald Trump denunciou o "ódio" nos EUA no rescaldo de um ataque a tiro, este sábado, numa sinagoga de Pittsburgh, estado da Pensilvânia, que provocou a morte de pelo menos oito pessoas, de acordo com a cadeia de televisão NBC.

O presidente dos EUA acrescentou que "as pessoas que fazem este tipo de coisas deveriam ser submetidas à pena de morte", que a legislação sobre as armas "pouco tem a ver" e que faltou mais segurança: "Se tivessem proteção no interior os resultados teriam sido muito melhores. Suspeito que esta é uma disputa que existirá sempre mas se tivessem alguma proteção no templo talvez pudesse ter sido uma situação muito diferente. Não tinham e o atirador conseguiu fazer coisas que não deveria ter conseguido fazer.

Durante o ataque 12 pessoas foram alvejadas, entre elas três polícias. A sinagoga "Tree of Life" encontra-se em Squirrel Hill, um bairro residencial judeu de Pittsburgh.

"Estou abalado com o sucedido, com o que se conta nas notícias, com as cartas-bomba. Depois acontece isto e há carros de polícia nas ruas. Diria que estou satisfeito porque o atirador está preso. Os meus pensamentos e orações são para as vítimas. Conheço estas pessoas. É a minha comunidade. Estas são as minhas manhãs de sábado", lamentou o antigo presidente da sinagoga, Michael Eisenberg.

O atirador entregou-se à polícia. De acordo com vários meios de comunicação o homem suspeito é Rob Bowers, 46 anos e autor de mensagens com conteúdo antissemita nas redes sociais.

O presidente israelita, Benjamin Netanyahu, falou de um "ataque antissemita horrível."

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.