EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Candidato republicano à presidència dos EUA esteve na Ucrânia e visitou Bucha

Ucrânia continua à espera dos caças F-16 para combater os invasores russos
Ucrânia continua à espera dos caças F-16 para combater os invasores russos Direitos de autor кадр из видео AP
Direitos de autor кадр из видео AP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Candidato republicano à eleição presidencial norte-americana foi a Bucha "ver para crer" e saiu convencido que é preciso ajudar a Ucrânia a restabelecer uma "paz justa".

PUBLICIDADE

Volodymyr Zelenskyy reuniu-se na sexta-feira, em Kiev, com o candidato republicano dos EUA, governador de Nova Jérsia entre 2010-2018, Christopher Christie.

O chefe de Estado agradeceu a Christie o facto de ter iniciado a sua visita à Ucrânia com uma visita a Bucha, tendo declarado: "Sinto a crueldade e sente-se a desumanidade"(...) "E olhamos para isto, e não creio que haja alguém no nosso país que venha aqui e veja isto e não sinta que estas são as coisas que a América precisa de impedir".

Durante a visita, Christie colocou flores no complexo memorial em Bucha, onde havia uma vala comum de civis, e rezou pelos voluntários ucranianos que foram mortos pelas tropas russas no início da guerra em Moshchun.

"Suspeitei mesmo que, se visse isto pessoalmente, me ajudaria a ser um melhor defensor do apoio, e penso que, pelo que vi hoje, e pela reunião com o Presidente... Acho que estou muito melhor", disse. 

Durante uma reunião municipal em julho em Columbia, na Carolina do Sul, Christie chamou ao conflito "uma guerra por procuração entre os Estados Unidos e a China", argumentando que os ucranianos não querem homens e mulheres americanos no terreno na Ucrânia, nem ele mandaria homens e mulheres americanos para o terreno na Ucrânia. O que eles querem, disse, "é que o equipamento tenha uma hipótese justa de vencer os russos".

O campo presidencial do Partido Republicano está dividido sobre o futuro do envolvimento dos EUA na guerra.

Christopher Christie afirmou que não se falou da eleição presidencial dos Estados Unidos durante o seu encontro com o presidente da Ucrânia.

No seu discurso da noite, Volodymyr Zelenskyy falou essencialmente sobre a situação da segurança alimentar, tendo afirmado: "Amanhã, em Jeddah, na Arábia Saudita, realizar-se-á uma reunião de conselheiros de chefes de Estado e de representantes do Ministério dos Negócios Estrangeiros para falarem sobre a Fórmula de Paz. Estarão representados muitos países, de diferentes continentes, incluindo os países do Sul Global. Isto émuito importante porque, em questões como a segurança alimentar, o destino de milhões de pessoas em África, na Ásia e noutras partes do mundo depende diretamente da rapidez com que o mundo trabalhar na implementação da Fórmula da Paz".

Selos com imagens dos tão desejados F-16

Na sexta-feira, os correios ucranianos lançaram selos postais com caças americanos F-16 que, segundo os ucranianos, o país precisa urgentemente que os aliados ocidentais entreguem para o proteger dos ataques russos.

Centenas de pessoas fizeram fila na principal estação de correios de Kiev para comprar o novo selo com um envelope a condizer. O selo, destinado a colecionadores, mostra uma das torres do Kremlin a ser triturada por um ralador de cozinha com buracos em forma de jactos de combate.

"Enquanto aguardamos a chegada dos F-16, decidimos lançar o nosso novo selo", declarou o diretor-geral da Ukrposhta, Igor Smelyansky.

Os Correios descreveram o Kremlin como "um símbolo do império do mal".

A obra de arte é da autoria do ilustrador ucraniano Maksym Palenko.

O selo foi lançado numa tiragem de 600 000 exemplares. Um conjunto de quatro selos idênticos (sem envelopes) custa 156 hryvnia (cerca de 5 euros). As receitas reverterão a favor da compra de drones para as forças armadas.

Anteriormente, os correios ucranianos lançaram selos muito populares com soldados na frente de combate, uma pintura do artista de rua britânico Banksy e um soldado a fazer um gesto obsceno em direção a um navio de guerra russo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Segundo aniversário da libertação de Bucha

Processo de seleção do júri promete atrasar julgamento de Trump

Massacre de Bucha: dois anos depois, há feridas difíceis de sarar