EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Banco Central da Rússia sobe taxa diretora para 12%

Banco Central da Rússia (BCR)
Banco Central da Rússia (BCR) Direitos de autor Elena Ignatyeva/AP
Direitos de autor Elena Ignatyeva/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Banco Central da Rússia (BCR) aumentou, esta terça-feira, a sua taxa diretora de 8,5% para 12%, num contexto de subida da inflação e de queda do rublo.

PUBLICIDADE

O BCR anunciou que "esta decisão foi tomada a fim de limitar os riscos para a estabilidade dos preços".

Com esta medida, os russos preparam-se para preços mais elevados.

Vladimir Bessosedniy, um professor reformado, de 63 anos, não tem dúvidas: "Os preços vão subir, o que significa que o nível de vida vai baixar. O nível de vida já baixou e vai baixar ainda mais. Há cada vez mais pessoas pobres, isso é certo".

Ao aumentar os custos dos empréstimos, o banco central está a tentar combater os picos de preços à medida que a Rússia importa mais e exporta menos, especialmente petróleo e gás natural, com as despesas de defesa a aumentarem e as sanções a cobrarem um preço. Importar mais e exportar menos significa um excedente comercial menor, que normalmente pesa sobre a moeda de um país.

Alexandra Prokopenko, académica não residente do Centro Carnegie Rússia-Eurásia e antiga funcionária do Banco Central russo, explica: "O fator mais fundamental é a mudança estrutural na economia russa. A procura é agora impulsionada por expansões estatais de um complexo industrial militar mais vasto. Refiro-me não só às empresas que trabalham na guerra, mas também a uma parte muito extensa do setor civil".

O banco central diz que a procura excedeu a capacidade do país para expandir a produção económica, aumentando a inflação e afetando "a dinâmica da taxa de câmbio do rublo através de uma procura elevada de importações".

O conselheiro económico do presidente Vladimir Putin, Maksim Oreshkin, culpou na segunda-feira o rublo fraco pela "política monetária frouxa" num artigo de opinião, acrescentando que o banco central tem "todos os instrumentos necessários" para estabilizar a situação e que espera uma normalização em breve.

A divisa russa está no seu nível mais baixo face ao euro e ao dólar desde março de 2022, quando começou a ofensiva contra a Ucrânia.

O valor da moeda ultrapassou os 101 rublos por dólar e os 111 por euro,  na segunda-feira e manteve-se assim na terça-feira, perdendo mais de um terço do seu valor desde o início do ano e atingindo o nível mais baixo em quase 17 meses.

A inflação atingiu 7,6% nos últimos três meses. No mês passado, o banco central também aumentou significativamente as taxas de juro em 1%, afirmando que se esperava que a inflação continuasse a aumentar e que a queda do rublo estava a aumentar o risco. A próxima reunião sobre as taxas de juro está prevista para 15 de setembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Stoltenberg pede a membros da NATO que reconsiderem limites no envio de armas para a Ucrânia

Lituanos voltam às urnas para a segunda volta das eleições presidenciais

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa