EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

EUA, Coreia do Sul e Japão falam em comportamento "agressivo" e "perigoso" da China

Líderes estiveram reunidos em Camp David, a residência de campo presidencial no Estado de Maryland, nos EUA.
Líderes estiveram reunidos em Camp David, a residência de campo presidencial no Estado de Maryland, nos EUA. Direitos de autor Andrew Harnik/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Andrew Harnik/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Líderes dos três países estiveram reunidos em cimeira histórica que serviu para estreitar laços e reforçar mensagem de colaboração na região do Indo-Pacífico.

PUBLICIDADE

"Perigoso" e "agressivo." Foi desta forma que os presidentes dos EUA, Joe Biden, da Coreia do Sul,Yoon Suk-yeol, e o primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, classificaram o comportamento chinês no Mar do Sul da China.

Biden reuniu os líderes desavindos do Japão e da Coreia do Sul numa cimeira tripartida em Camp David, a residência de campo presidencial no Estado de Maryland, nos EUA.

Um momento histórico, repleto de simbolismo, e de mensagens para Pequim, ainda que não fosse esse o objetivo, nas palavras do presidente dos EUA.

"Esta cimeira não era sobre a China. Não era esse o propósito do encontro, mas o assunto China acabou por surgir. Não para dizer que não partilhamos preocupações sobre a coerção económica ou o aumento das tensões provocado pela China. Esta cimeira foi realmente sobre a nossa relação e sobre o aprofundamento da nossa cooperação numa série de questões que foram muito além dos temas imediatos que enumerámos", disse Biden.

Esta foi a primeira cimeira de Biden com o homólogo sul coreano e o primeiro-ministro japonês.

O presidente dos EUA fala no início de “uma nova era de cooperação” trilateral, visando “maior segurança” na região do Indo-Pacífico.

Além do Mar do Sul da China, o comunicado final da cimeira também refere a questão do Estreito de Taiwan, ilha autogovernada cuja soberania a China reivindica.

O documento reafirma a importância da "paz" e da "estabilidade" regional, que é crítica para o comércio internacional.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

TikTok em risco nos Estados Unidos

Biden e Xi Jinping assinalam progressos nas relações bilaterais