EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Bombas de fragmentação fizeram recorde de vítimas no ano passado

Bombas de fragmentação fizeram recorde de vítimas no ano passado
Bombas de fragmentação fizeram recorde de vítimas no ano passado Direitos de autor SERGEY BOBOK/AFP or licensors
Direitos de autor SERGEY BOBOK/AFP or licensors
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Relatório da Cluster Munition Monitor dá conta de pelo menos 1172 vítimas mortais e a guerra na Ucrânia é a principal responsável

PUBLICIDADE

O número de pessoas mortas por bombas de fragmentação atingiu um novo recorde desde que a Cluster Munition Monitor começou a registar as vítimas deste tipo de explosivo em 2010.

O último relatório dá conta de pelo menos 1 172 vítimas mortais em oito países em 2022 e aponta a guerra na Ucrânia como a principal responsável. O conflito que se seguiu à invasão russa provocou pelo menos 890 mortes resultantes de bombas de fragmentação, dez vezes mais do que aconteceu na Síria.

As bombas de fragmentação detonam no ar e espalham pequenos explosivos por uma vasta área, tendo um efeito devastador entre a população civil, que representou 95% das vítimas em 2022.

Teme-se que o recorde volte a ser batido depois de a polémica decisão dos Estados Unidos de enviar bombas de fragmentação para apoiar as forças armadas da Ucrânia, apesar da convenção internacional que proíbe este tipo de armamento, ratificada por 124 países. Nem Estados Unidos, nem Ucrânia, nem Rússia estão entre os signatários.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Arménios pedem renúncia de Pashinian por causa do “conflito entre povos fronteiriços”

6 Meses de conflito. Nova ronda de negociações para um cessar-fogo esperada no Cairo

Países preparam-se para a guerra? Noruega vai investir mais 52 mil milhões na Defesa até 2036