EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

25 anos de Google: será possível controlar o "gigante"?

Logótipo da Google no escritório da empresa em Nova Iorque
Logótipo da Google no escritório da empresa em Nova Iorque Direitos de autor AP Photo/Peter Morgan, File
Direitos de autor AP Photo/Peter Morgan, File
De  Andrey Poznyakov
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em russo

A Google está a celebrar o seu 25º aniversário, no meio de acusações de domínio e ameaças de novas restrições "antitrust"

PUBLICIDADE

Em 25 anos de existência, a Google tornou-se num dos mais influentes gigantes da internet. O seu motor de busca ocupa, indiscutivelmente, o primero lugar e é o site mais visitado em todo o mundo. O sistema operativo Android é o mais usado em "tablets" e telefones móveis.

A política de dominância da Google levanta questões sérias entre as autoridades antimonopólio mas, até ao momento, as tentativas para controlar o gigante tecnológico são complicadas pelos procedimentos burocráticos.

Javier Espinoza, correspondente do Financial Times na UE:"Há quem diga que o antimonopólio entrou em jogo demasiado tarde e que fez muito pouco. Para empresas como a Google, é bom esperar, arrastar o processo de forma a que haja 'atropleamentos', como disse um executivo tecnológico. E isso faz parte desta narrativa de beneficiar operadores históricos como a Google."

A chamada "Lei dos Mercados Digitais" constitui uma tentativa da União Europeia para limitar a influência dos gigantes da tecnologia, reduzindo pelo menos a capacidade das empresas para promover os seus próprios serviços nas suas plataformas.

Mas a forma como as restrições vão funcionar e o seu verdadeiro alcance ainda estão por apurar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cimeira EUA-UE centrada na guerra Israel-Hamas e tarifas aduaneiras

Reino Unido procura reconstruir as relações com a Europa

Boicote a Budapeste: oposição húngara diz que ninguém se quer sentar à mesa com Orbán