EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Rendas exorbitantes empurram inquilinos para viver em tendas nos arredores de Lisboa

Segurança social está a acompanhar casos, mas resposta é demasiado lenta.
Segurança social está a acompanhar casos, mas resposta é demasiado lenta. Direitos de autor Armando Franca/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Armando Franca/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pressão está-se a tornar asfixiante para muitas pessoas que dependem do mercado de arrendamento em Portugal.

PUBLICIDADE

A subida a pique das taxas de juro e as rendas exorbitantes estão a deixar famílias inteiras sem teto em Portugal.

Várias pessoas passaram a viver em tendas nos arredores de Lisboa.

Para muitos, a renda já custava mais de 3/4 do salário e era uma dor de cabeça. A somar a isso, estão a multiplicar-se os problemas sociais.

"Tenho dois filhos. Procurámos ajuda, mas quando pedimos ajuda descobriram que morávamos em albergues e disseram-nos que tínhamos três semanas para procurar casa, mas não conseguimos. Com o tempo tiraram-nos os nossos filhos, pelo menos até que a situação da casa se resolva. Só posso vê-los uma vez por semana", contou Daniela, que se viu forçada a viver numa tenda.

Andreia Costa acrescentou: "estava a pagar 400 euros por mês e tinha um salário médio de 800 euros. Metade era para a renda. Depois ainda tinha somar 40 euros para o passe dos transportes, 150 para a comida. Não é possível."

A Segurança Social está a acompanhar os casos, mas a resposta peca por tardia.

Enquanto isso, as rendas continuam a subir e todos os dias há mais pessoas em situações idênticas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Abstenção e desconhecimento sobre a UE serão teste às eleições europeias em Portugal

Novo aeroporto em Alcochete vai chamar-se Luís de Camões e Alta Velocidade está a caminho

Chega acusa Presidente da República de "traição à pátria, coação e usurpação"