EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

O que é o Hamas, o grupo terrorista por detrás do ataque sem precedentes a Israel?

ARQUIVO: Apoiantes do Hamas palestiniano sob uma faixa com o falecido líder Sheik Ahmed Yassin, à esquerda, e Abdel Aziz Rantisi. março de 2007, Nablus
ARQUIVO: Apoiantes do Hamas palestiniano sob uma faixa com o falecido líder Sheik Ahmed Yassin, à esquerda, e Abdel Aziz Rantisi. março de 2007, Nablus Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O grupo foi fundado durante a primeira Intifada e é considerado uma organização terrorista pela União Europeia.

PUBLICIDADE

O Hamas, que governa a Faixa de Gaza desde 2007, lançou um ataque dentro de Israel durante o fim de semana, matando centenas de pessoas e fazendo outras reféns. A sua violação sem precedentes da fronteira enviou combatentes para dentro das comunidades fronteiriças e instalações militares, chocou Israel e os seus aliados e levantou questões sobre as capacidades e a estratégia do grupo.

O que é o Hamas?

O grupo foi fundado em 1987 durante a primeira intifada, ou revolta, que foi marcada por protestos generalizados contra a ocupação de Israel.

O grupo jurou aniquilar Israel e tem sido responsável por muitos ataques bombistas suicidas e outros ataques mortais contra civis e soldados israelitas.

A UE e outros países ocidentais consideram o Hamas uma organização terrorista.

O Hamas venceu as eleições parlamentares de 2006 e, em 2007, tomou violentamente o controlo da Faixa de Gaza à Autoridade Palestiniana, reconhecida internacionalmente. A Autoridade Palestiniana, dominada pelo movimento rival Fatah, administra áreas semi-autónomas da Cisjordânia ocupada por Israel.

Israel respondeu à tomada de poder pelo Hamas com um bloqueio a Gaza, restringindo o movimento de pessoas e bens para dentro e para fora do território, numa medida que diz ser necessária para impedir o grupo de desenvolver armas. O bloqueio devastou a economia de Gaza e os palestinianos acusam Israel de castigo coletivo.

Ao longo dos anos, o Hamas recebeu o apoio de países árabes, como o Qatar e a Turquia. Recentemente, aproximou-se do Irão e dos seus aliados.

FILE: Iranian President Mohammad Khatami, right, meets with Sheikh Ahmed Yassin, the head of the Palestinian militant group Hamas, in Tehran Saturday, May 2, 1998.
FILE: Iranian President Mohammad Khatami, right, meets with Sheikh Ahmed Yassin, the head of the Palestinian militant group Hamas, in Tehran Saturday, May 2, 1998.MOHAMMAD SAYYAD/AP

Quem são os líderes do Hamas?

Houve pelo menos sete fundadores originais do Hamas, incluindo o líder espiritual Sheikh Ahmed Yassin - um homem paralítico que usava uma cadeira de rodas - que passou anos em prisões israelitas e supervisionou a criação da ala militar do Hamas, que levou a cabo o seu primeiro ataque suicida em 1993.

As forças israelitas têm visado os dirigentes do Hamas ao longo dos anos, tendo assassinado Yassin em março de 2004. Outro fundador, Abdel Aziz al-Rantisi, foi morto em Gaza em abril de 2004.

Khaled Mashaal, um membro exilado do Hamas que sobreviveu a uma tentativa anterior de assassinato por Israel, tornou-se o líder do grupo pouco depois.

Yehia Sinwar, em Gaza, e Ismail Haniyeh, que vive no exílio, são os actuais líderes do Hamas. Estes dois líderes realinharam a liderança do grupo com o Irão e os seus aliados, incluindo o Hezbollah libanês. Desde então, muitos dos líderes do grupo mudaram-se para Beirute.

O que é que o Hamas quer?

O Hamas sempre defendeu a violência como meio de libertação dos territórios palestinianos ocupados e apelou à aniquilação de Israel.

O Hamas levou a cabo atentados bombistas suicidas e, ao longo dos anos, disparou dezenas de milhares de foguetes, cada vez mais potentes, de Gaza para Israel. Criou também uma rede de túneis que vão de Gaza ao Egipto para contrabandear armas, bem como túneis de ataque que penetram em Israel.

Nos últimos anos, o Hamas parecia estar mais concentrado em gerir Gaza do que em atacar Israel.

FILE: Palestinian Hamas supporters carry Islamic flags during a rally marking 3rd anniversary of Israel's targeted killing of founder Sheikh Ahmed Yassin. Nablus, March 2007
FILE: Palestinian Hamas supporters carry Islamic flags during a rally marking 3rd anniversary of Israel's targeted killing of founder Sheikh Ahmed Yassin. Nablus, March 2007MOHAMMAD SAYYAD/AP

Porque é que o Hamas lançou agora um ataque contra Israel?

Nos últimos anos, Israel fez acordos de paz com países árabes sem ter de fazer concessões no seu conflito com os palestinianos.

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos também têm tentado mediar um acordo entre Israel e a Arábia Saudita, um rival amargo dos apoiantes iranianos do Hamas.

Entretanto, o novo governo de extrema-direita de Israel estava a trabalhar para cimentar os colonatos israelitas na Cisjordânia, apesar da oposição palestiniana e da condenação internacional.

Os dirigentes do Hamas afirmam que a repressão israelita contra os militantes na Cisjordânia, a continuação da construção de colonatos - que a comunidade internacional considera ilegais -, os milhares de prisioneiros nas prisões israelitas e o bloqueio contínuo de Gaza o levaram a atacar.

Os seus dirigentes afirmam que centenas dos seus 40.000 combatentes participaram no ataque. Israel diz que o grupo tem cerca de 30.000 combatentes e um arsenal de foguetes, incluindo alguns com um alcance de cerca de 250 quilómetros, e drones não tripulados.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A Europa falhou com os palestinianos ao isolar o Hamas?

Centenas de mortos em ataque a hospital de Gaza gera revolta na Cisjordânia

Gaza: pelo menos 71 mortos e mais de 200 feridos num ataque ao campo de al-Mawasi