A Bélgica transforma-se num país acolhedor para a eutanásia?

A Bélgica transforma-se num país acolhedor para a eutanásia?
Direitos de autor euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A eutanásia é legal na Bélgica e é cada vez maior o número de doentes de países vizinhos, nomeadamente de França, que procuram pôr termo à sua vida neste país.

PUBLICIDADE

A lei belga da eutanásia permite que residentes estrangeiros apresentem um pedido. Esta singularidade atrai pacientes de países vizinhos, incluindo muitos vindos de França. Em 2022, mais de 70 já tinham atravessado a fronteira para morrer na Bélgica. Mas isto não acontece sem condições.

Sabine sofre de artrite crónica desde os cinco anos. Após duas paragens cardíacas, dificuldades respiratórias, dores fortes e contínuas e as doses de morfina que as acompanham, decidiu morrer aos 56 anos. Vivendo nos arredores de Lille, conseguiu dar passos na Bélgica graças à ajuda de um grupo de médicos reformados. Nas próximas semanas, Sabine falecerá na Bélgica, na data que escolheu: "Recuperei o controlo da minha vida. Escolhi a forma como esta iria terminar. Prefiro morrer com dignidade, em paz e sossego, rodeada pelos meus entes queridos, do que no hospital, toda picada". Tal como ela, 71 franceses já vieram até à Bélgica para morrer em 2023.

Sabine sofre de artrite crónica
Sabine sofre de artrite crónicaeuronews

"Não podemos esquecer que existem condições"

Os doentes estrangeiros continuam a ser uma minoria e não sobrecarregam os serviços competentes. Em contrapartida, os pedidos estão a aumentar. E alguns são irrelevantes, obrigando os médicos e os hospitais a filtrá-los. Jacqueline Herremans, presidente da Association pour le Droit de Mourir dans la Dignité (Associação para o Direito de Morrer na Dignidade), aponta para uma imagem demasiado permissiva que está a ser difundida no estrangeiro. "Devido à caricatura que é feita em França, alguns franceses pensam que basta vir à Bélgica, pedir a eutanásia e obtê-la, quando, apesar de a nossa lei ser flexível, é preciso lembrar que há condições".

Jacqueline Herremans, Presidente, Association pour le Droit de Mourir dans la Dignité (Associação para o Direito de Morrer com Dignidade)
Jacqueline Herremans, Presidente, Association pour le Droit de Mourir dans la Dignité (Associação para o Direito de Morrer com Dignidade)euronews

Eutanásia "uma possibilidade para o doente, não um direito

Para obter a eutanásia, a lei belga especifica três condições importantes: o pedido deve ser voluntário, ponderado e repetido, o doente deve estar a passar por um sofrimento insuportável e o sofrimento deve ser o resultado de uma doença incurável e grave. Dois médicos diferentes devem verificar se estes critérios são preenchidos. Marc Decroly, médico de clínica geral em Bruxelas, recorda que a eutanásia é "uma possibilidade para o doente, não um direito. É uma possibilidade para o médico, não um dever".

Marc Decroly, médico de clínica geral
Marc Decroly, médico de clínica geraleuronews

Na União Europeia, a Bélgica e os Países Baixos foram os primeiros países a autorizar a eutanásia (2002). A eles juntam-se agora o Luxemburgo (2009), Espanha (2021) e Portugal (2023). Em França, a apreciação do projeto de lei sobre a eutanásia foi adiada para 2024.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia: corrida contra o tempo para salvar cães vadios da eutanásia

Primeiro-ministro britânico revela que cancro do rei Carlos III foi "detetado cedo"

Rei Carlos III tem cancro e já está a receber tratamento