Kiev intensifica ataques a posições de apoio russas na Crimeia

Sasha Vakulina, jornalista da euronews
Sasha Vakulina, jornalista da euronews Direitos de autor Euronews
De  Oleksandra Vakulina
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Instituto para o Estudo da Guerra diz que ataque ucraniano provocou danos ainda não quantificados em estaleiro onde é feita a manutenção da Frota russa do Mar Negro.

PUBLICIDADE

As forças ucranianas terão intensificado os ataques nas áreas de retaguarda russas no sul da Ucrânia e na ocupada Crimeia no fim de semana.

Fontes russas também afirmaram que as forças ucranianas atacaram Berdyansk, na região de Zaporíjia, e Skadovsk, na região de Kherson.

No sábado, as forças ucranianas realizaram um ataque bem-sucedido a um estaleiro russo em Kerch, no leste da Crimeia anexada, provavelmente danificando um navio da marinha.

O Instituto para o Estudo da Guerra (sigla em inglês ISW) diz: as imagens de satélite mostram que o ataque danificou uma corveta porta-mísseis Kalibr no estaleiro, embora a extensão dos danos ao navio não seja clara.

O estaleiro Zalyv, perto da ponte de Kerch, é o maior estaleiro da Europa Oriental e é, provavelmente, a principal instalação de manutenção da Frota do Mar Negro na Crimeia, depois de, a meados de setembro, um ataque bem-sucedido da Ucrânia ter danificado as instalações navais estatais russas em Sebastopol.

A ISW explica que as forças ucranianas conduziram vários ataques contra a infra-estrutura militar russa na Crimeia ocupada, principalmente contra ativos da Frota do Mar Negro, desde Junho de 2023 para degradar a capacidade dos militares russos de usar a Crimeia como área de preparação e apoio às operações russas no sul da Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Contraofensiva ucraniana tropeça na falta de armas estratégicas

Rússia volta a atacar infraestruturas energéticas na Ucrânia

China volta a tentar mediar negociações de paz entre Rússia e Ucrânia