Grupo Visegrado: A Ucrânia tem de ganhar a guerra contra a Rússia

Líderes do grupo Visegrado no Castelo de Praga
Líderes do grupo Visegrado no Castelo de Praga Direitos de autor Petr David Josek/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Nara Madeira com AP, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Grupo visegrado diverge no apoio militar à Ucrânia mas concorda que Kiev tem de ganhar a guerra contra a Rússia.

PUBLICIDADE

O apoio militar à Ucrânia não é consensual no seio do grupo Visegrado, mas aquilo em que todos estão de acordo é que Kiev tem de ganhar a guerra contra a Rússia. 

Os presidentes de quatro países da Europa Central - Chéquia, Polónia, Hungria e Eslováquia - reuniram-se em Praga, num encontro anual, o primeiro desde que o chefe do executivo eslovaco anunciou o fim da ajuda militar ao país.

Para o Presidente Checo a "agressão russa" afeta todos e, por isso, o "apoio à Ucrânia é (...) essencial para a (...) segurança" dos países, "ao mesmo tempo que é também uma ação, naturalmente, humana", frisava Petr Pavel. 

A Rússia tem de ser responsabilizada pela perda de vidas humanas e pelos danos causados, pelo que temos de apoiar, resolutamente, a Ucrânia e os seus cidadãos de todas as formas. É do nosso interesse.
Petr Pavel
Presidente Checo

Chéquia e Polónia têm apoiado desde o primeiro momento a Ucrânia, abrindo as suas fronteiras aos refugiados e fornecendo armas. Mas as relações deterioraram-se, em setembro, devido aos acordos para os cereais ucranianos, que afetam a economia polaca.

Já o governo húngaro, do Primeiro-Ministro Viktor Orbán, recusou-se, desde sempre, a fornecer armas a Kiev e ameaçou mesmo vetar os pacotes de ajuda financeira da UE ao país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Grupo de Visegrado sem entusiasmo pelo pacto para migração

Grupo de Visegrado quer Balcãs rapidamente na UE

Grupo de Visegrado reunido na República Checa