Por que razão Espanha é dos poucos na UE a apoiar a Palestina?

Foto de Pedro Sánchez no Conselho Europeu e na Cimeira do Euro do mês passado
Foto de Pedro Sánchez no Conselho Europeu e na Cimeira do Euro do mês passado Direitos de autor Nicolas Economou/NurPhoto via Getty Images
De  Saskia O'Donoghue com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O primeiro-ministro Pedro Sánchez inicia uma digressão pelo Médio Oriente, onde se posiciona como um quase-aliado da Palestina.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez visita esta semana o Médio Oriente. Na sequência do conflito entre Israel e o Hamas, a sua viagem talvez não seja tão estereotipada como a de outros líderes europeus.

Espanha tem sido historicamente próxima do mundo árabe e, como tal, o país está a tentar ativamente promover uma linha mais favorável às aspirações palestinianas no seio da União Europeia.

É uma abordagem que Sánchez irá provavelmente defender durante a sua visita à região afetada pelo conflito.

Empossado há apenas uma semana para um novo mandato de quatro anos, o primeiro-ministro reunir-se-á com o homólogo Benjamin Netanyahu, em Israel, e com o Presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, na Cisjordânia.

Sánchez deslocar-se-á depois ao Egito, onde se reune com o Presidente Abdel Fattah al-Sissi e com Ahmed Aboul Gheit, secretário-geral da Liga Árabe.

Estes encontros proporcionam ao chefe do governo espanhol a oportunidade de renovar o apelo a um cessar-fogo duradouro em Gaza, bem como à realização de uma cimeira de paz urgente.

Espanha espera que seja encontrada uma solução política para o conflito entre Israel e os palestinianos, com base na existência de dois Estados.

Porque é que Espanha é tão clara no seu reconhecimento do Estado Palestiniano?

Num discurso proferido na passada quarta-feira, Sánchez prometeu que o "primeiro compromisso" do seu novo governo em matéria de política externa seria "trabalhar na Europa e em Espanha para reconhecer o Estado palestiniano".

Ao mesmo tempo, disse estar "do lado de Israel" face ao "ataque terrorista" cometido pelo Hamas a 7 de outubro, mas também apelou ao Estado judaico para que pusesse fim à "matança indiscriminada de palestinianos".

Segundo Isaías Barreñada, professor da Universidade Complutense de Madrid, Sánchez espera que a sua posição tenha "um efeito de arrastamento" no resto da UE.

Esta posição surge numa altura em que muitos países ocidentais enfrentam críticas no mundo árabe por serem aparentemente demasiado favoráveis a Israel.

Em 2014, então sob um governo conservador, o parlamento espanhol adotou uma resolução que apelava ao reconhecimento do Estado palestiniano, apoiada por todos os partidos políticos. A votação, no entanto, não foi vinculativa e não foi seguida de qualquer ação.

Na Europa, vários países deram este passo de uma forma mais eficaz. Entre eles contam-se a Suécia, a Hungria, Malta e a Roménia, mas nenhum dos principais Estados-membros da UE o fez, o que significa que Espanha poderá vir a ser pioneira.

No início desta semana, Josep Borrell, o Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança - e antigo ministro de Sánchez - disse ao El Pais que Espanha era um país com "uma simpatia mais clara pelo mundo árabe".

FILE: People display banners, reading ''Gaza We Are All'', and ''Peace'', during a protest against Israel's offensive on Gaza, in Pamplona, 2014
FILE: People display banners, reading ''Gaza We Are All'', and ''Peace'', during a protest against Israel's offensive on Gaza, in Pamplona, 2014Alvaro Barrientos/AP

Breve história das relações hispano-árabes

Geograficamente próxima da região do Magrebe, no Norte de África, Espanha recorreu aos países árabes durante a ditadura de Franco, que vigorou entre 1939 e 1975, para contornar o seu isolamento no Ocidente.

No entanto, só em 1986 é que a nação estabeleceu relações oficiais com Israel. A data relativamente tardia foi consequência das tensões nascidas da oposição do Estado hebreu à entrada de Espanha na ONU no final da Segunda Guerra Mundial, devido à sua proximidade com a Alemanha nazi.

Em 1993, Espanha desempenhou um papel nos Acordos de Oslo, através dos quais Israel e a Organização de Libertação da Palestina se reconheceram mutuamente no âmbito do processo de paz.

No entanto, de um modo geral, Espanha continua a ser vista por muitos como um país pró-árabe. No final de outubro, chegou mesmo a haver uma mini-crise diplomática com a embaixada israelita, na sequência de declarações controversas de uma ministra da ala mais esquerda do governo, que falou de um "genocídio planeado" em Gaza.

PUBLICIDADE

Com grande parte da Europa firmemente pró-Israel, Isaías Barreñada explica que esta será uma batalha difícil para Sánchez.

"É difícil imaginar que Espanha tenha a capacidade de reorientar a posição europeia", diz Barreñada à AFP, mas "pode contribuir para mostrar que há sensibilidades diferentes no seio da UE".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeiros-ministros espanhol e belga dizem a Israel que resposta militar não deve pôr em causa civis

Pedro Sánchez prestes renovar mandato de primeiro-ministro

Incêndio em prédio de 14 andares em Valência faz pelo menos quatro mortos