Líderes dos governos espanhol e belga condenam morte de milhares de civis em Israel e Faixa de Gaza

Primeiro-ministro de Espanha, Pedro Sánchez e primeiro-ministro da Bélgica, Alexander de Croo reunidos com o presidente do Egito, Abdel Fattah Al-Sisi, 24 de novembro de 2023
Primeiro-ministro de Espanha, Pedro Sánchez e primeiro-ministro da Bélgica, Alexander de Croo reunidos com o presidente do Egito, Abdel Fattah Al-Sisi, 24 de novembro de 2023 Direitos de autor STR/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel, Eli Cohen, disse que os embaixadores dos dois países europeus foram convocados por “falsas alegações”.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, e o primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, deram uma conferência de imprensa durante a sua visita à passagem fronteiriça de Rafah, entre o Egipto e a Faixa de Gaza, na sexta-feira, depois de se encontrarem com o presidente egípcio, al-Sissi.

Ambos os líderes europeus criticaram a guerra entre Israel e o Hamas e a morte de milhares de civis.

O chefe do governo espanhol, Pedro Sanchez, apelou a um “cessar-fogo humanitário duradouro” na Faixa de Gaza e condenou a morte de milhares de civis em Israel e na Palestina.

“A matança indiscriminada de civis inocentes, incluindo milhares de rapazes e raparigas, é completamente inaceitável. A violência só levará a mais violência”, afirmou.

O primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, repetiu que Israel tem direito à autodefesa, mas também acusou o país pela morte de civis em Gaza, dizendo que é "inaceitável".

“A destruição de Gaza é inaceitável. Não podemos aceitar que uma sociedade esteja a ser destruída da forma como está a ser destruída", disse.

O ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Eli Cohen, disse que os embaixadores dos dois países europeus foram convocados por “falsas alegações” e que “Israel está a agir de acordo com o direito internacional e a combater uma organização terrorista assassina pior do que o Estado Islâmico, que comete crimes de guerra e crimes contra a humanidade”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel e Hamas fazem cair por terra esperanças de Biden num cessar-fogo na próxima segunda-feira

Agência Humanitária da ONU na Palestina alerta para "ponto de rutura" em todas as atividades

Benjamin Netanyahu apresenta plano de gestão de Gaza para um pós-guerra