Há 10 anos acontecia na Ucrânia uma revolução que mudaria o rosto do país, até à invasão russa

1º aniversário da revolução ucraniana, 21 de Novembro de 2014
1º aniversário da revolução ucraniana, 21 de Novembro de 2014 Direitos de autor Sergei Chuzavkov/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Há 10 anos acontecia na Ucrânia uma revolução que mudaria o rosto do país, até à invasão russa

PUBLICIDADE

Em novembro de 2013 o Presidente ucraniano recusava-se a assinar um acordo de associação com a União Europeia e virava-se, inesperadamente, para a Rússia, em contraciclo com o país se inclinava para o bloco forte europeu.

Uma decisão que mudou o rumo do país. Centenas de pessoas, na sua maioria jovens, chamados sobretudo pelas redes sociais, mostravam a sua revolta no centro de Kiev. 

Não foi apenas um protesto político e (...) uma mudança política, foi uma verdadeira transformação existencial. Podia-se sentir o tempo a mudar. Sentia-se a mudança das pessoas. Hoje em dia, intelectuais ucranianos como Vasyl Cherepanyn diriam que a sociedade ucraniana, tal como a conhecemos, nasceu na Maidan.
Marcy Shore
Professora associada de História, Universidade de Yale

Mas foi o uso excessivo da força pelas autoridades contra os manifestantes que fez pender a balança. Ucranianos, de todas as idades, inundaram a capital aos milhares... e nasceu uma revolução.

Andreas Umland, analista do Centro de Estudos para a Europa de Leste, de Estocolmo, explicava que "já não se tratava do acordo de associação em si. O que estava em causa era a dignidade das pessoas, que o governo deveria respeitar". 

O desmantelamento, violento, do pequeno acampamento na Praça da Independência foi, basicamente, o gatilho para uma discordância mais longa de muitos ucranianos com o governo de Yanukovich, com as suas práticas hiper corruptas e a falta de respeito pelo cidadão comum.
Andreas Umland,
Analista do Centro de Estudos para a Europa de Leste

Marcy Shore referia que "nunca ninguém tinha visto tanta gente nas ruas de Kiev" e o mais importante é que o foco tinha deixado de ser a União Europeia, os manifestantes já não gritavam apenas "A Ucrânia é Europa". Estavam a dizer: "não vamos permitir que batam nos nossos filhos!"". 

Três meses de confrontos violentos, durante os quais dezenas de manifestantes foram mortos, culminaram numa mudança de poder no país. 

O presidente Yanukovych fugiu para a Rússia e foram marcadas novas eleições Presidenciais. Kiev e a UE acabaram por assinar o acordo de associação. Mas a Rússia recusou-se a "deixar o país em paz". Sob a presidência de Vladimir Putin, anexou ilegalmente a Crimeia, apoiou uma revolta pró-Rússia em partes do leste da Ucrânia e, em Fevereiro de 2022, lançou uma invasão em grande escala do país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Revolução "Euromaidan" rebentou na Ucrânia há dez anos: Relatos na primeira pessoa

Manuscrito histórico da época da Revolução Francesa é leiloado

Morreu Otelo Saraiva de Carvalho