Um morto e vários feridos após ataque ucraniano em regiões fronteiriças russas

Kremlin acusou Kiev de estar a atacar deliberadamente civis
Kremlin acusou Kiev de estar a atacar deliberadamente civis Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pelo menos uma pessoa morreu e várias ficaram feridas na madrugada desta terça-feira após mais um ataque ucraniano contra a cidade russa de Belgorod e noutras regiões russas junto à fronteira com a Ucrânia.

PUBLICIDADE

Uma pessoa morreu e várias ficaram feridas na madrugada desta terça-feira após um ataque ucraniano contra Belgorod e outras regiões russas perto da fronteira com a Ucrânia.

Nas últimas semanas, o número de ataques com drones e mísseis contra esta zona da Rússia tem aumentado.

O Kremlin acusou Kiev de estar a atacar deliberadamente civis com equipamento militar fornecido pelos países do Ocidente

O porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov, garantiu que Moscovo fará tudo ao seu alcance para impedir os ataques em Belgorod, cidade russa que tem sido fortemente atingida por bombardeamentos da Ucrânia.

"O nosso exército continuará a fazer tudo ao seu alcance para primeiro minimizar o perigo e depois o eliminar completamente", afirmou Peskov esta terça-feira.

O ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, também anunciou esta terça-feira que o exército russo será reabastecido com armas mais modernas, incluindo armas que usam tecnologias de inteligência artificial. Além disso, o país vai aumentar a produção de drones.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, convocou uma reunião com o Chefe do Estado-maior das forças armadas ucranianas tendo em vista o reforço da defesa aérea.

No entanto, os últimos ataques aéreos em larga escala da Rússia à Ucrânia deixaram o país com falta de mísseis guiados antiaéreos, admitiu hoje o porta-voz das Forças Aéreas ucranianas.

"Os intensos ataques aéreos russos obrigam-nos a usar uma quantidade correspondente de meios de defesa aérea. É por isso que precisamos de mais mísseis anti-aéreos, já que a Rússia continua aumentar as suas capacidades de ataque", explicou Yurii Ihnat.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE sem conseguir dar contra-resposta à importação russa de artilharia

Nova vaga de ataques russos na Ucrânia faz pelo menos quatro mortos

China volta a tentar mediar negociações de paz entre Rússia e Ucrânia