EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Rússia assinala o 80º aniversário do cerco de Leninegrado

O Presidente russo Vladimir Putin no evento do 80.º aniversário do cerco de Leninegrado em São Petersburgo, 27 de janeiro de 2024
O Presidente russo Vladimir Putin no evento do 80.º aniversário do cerco de Leninegrado em São Petersburgo, 27 de janeiro de 2024 Direitos de autor AP/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor AP/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Daniel Bellamy
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O cerco começou em 1941, quando as tropas alemãs cercaram a cidade e a isolaram completamente dos abastecimentos durante dois anos e meio, antes de se retirarem.

PUBLICIDADE

São Petersburgo tem vindo a assinalar o 80º aniversário da sua libertação total dos nazis e o fim de um dos cercos mais brutais da história.

O cerco nazi a Leninegrado durou quase dois anos e meio até ser finalmente quebrado pelo exército soviético em 27 de janeiro de 1944.

As estimativas do número de mortos variam, mas os historiadores concordam que mais de um milhão de habitantes de Leninegrado morreram de fome e de bombardeamentos aéreos e de artilharia, num dos episódios mais horríveis da Segunda Guerra Mundial.

O Presidente russo, Vladimir Putin, natural da cidade, liderou no sábado os eventos que assinalaram o fim do bloqueio da cidade, então conhecida como Leninegrado.

Putin depositou flores no monumento Landmark Stone em Nevsky Pyatachok e participou numa cerimónia de colocação de coroas de flores no monumento Motherland no Cemitério Memorial Piskarevskoye, em São Petersburgo.

Putin visitou também a vala comum do Cemitério Memorial de Piskarevskoye, onde terá sido enterrado o seu irmão mais velho, que morreu durante o cerco.

No final do dia, Putin e o Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, assistirão a uma cerimónia de réquiem em memória dos mortos.

Algumas das crianças que viveram durante o cerco continuam vivas e têm recordado as dificuldades que passaram.

Irina Zimneva, 85 anos, ainda não consegue esquecer os pequenos pedaços de pão, 125 gramas por dia, que eram distribuídos em Leninegrado durante o inverno mortal de 1941-1942, e a resposta da mãe aos pedidos da filha: "Tem paciência!"

"A minha mãe (ajudou-me a sobreviver), o seu amor, acho que isso é o primeiro de tudo. Porque não sei de que outra forma (teria sobrevivido)", disse Zimneva à Associated Press.

Quando o avanço das tropas nazis fechou o círculo em torno de Leninegrado, a 8 de setembro de 1941, a família de Zimneva era constituída por 43 membros. Em janeiro de 1944, apenas 13 tinham sobrevivido.

Antes do 80º aniversário da libertação, foi instalada uma exposição ao ar livre para recordar aos habitantes os momentos mais difíceis da história da cidade.

Mostra como era um apartamento típico nos dias do cerco - um fogão no centro de uma divisão, cobertores nas janelas para poupar algum calor e os restos de mobiliário ainda por utilizar como lenha.

A exposição "Rua da Vida" mostra também uma sala de aula, uma sala de ensaios e alguns transportes - um elétrico da cidade, de uma rede que deixou de funcionar apenas durante alguns meses durante o cerco, e ambulâncias.

Yelena Domanova, visitante da exposição, partilhou os seus sentimentos com a AP: "Se tocarmos na história, sentimos a dor e o horror que estavam a acontecer aqui há 80 anos. Como é que as pessoas conseguiram sobreviver, é impressionante", disse. 

PUBLICIDADE

Putin tem invocado frequentemente o espírito da luta contra os nazis na "Grande Guerra Patriótica", assim lhe chamam os russos à Segunda Guerra Mundial, ao explicar a razão da sua invasão à Ucrânia.

Num discurso transmitido pela televisão russa, em fevereiro de 2023, Putin descreveu o governo do Presidente Zelenskyy na Ucrânia como "neonazi" - apesar de Zelenskyy ser judeu.

"Uma das brigadas das forças armadas ucranianas recebeu o nome de Edelweiss, como a divisão de Hitler", afirmou Putin no seu discurso.

A implicação é que alguns russos vão equiparar a guerra ucraniana à luta contra o nazismo e dar-lhe a mesma importância como uma luta que deve ser travada e ganha.

PUBLICIDADE

Em termos de número de mortos, tanto civis como militares, a Rússia sofreu muito mais do que qualquer outra nação na Segunda Guerra Mundial e muitos russos acreditam que, sem os seus militares a combater os nazis na Frente Oriental, os nazis poderiam ter vencido a guerra.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Jornalista russo-americana condenada a seis anos e meio de prisão

Tribunal russo condena jornalista do Wall Street Journal a 16 anos de prisão por espionagem

Estónia: proposta de estudo conjunto com a Rússia sobre o leito do rio Narva