Suécia e Canadá retomam financiamento da agência da ONU para os refugiados palestinianos

A Força Aérea dos Estados Unidos lança ajuda humanitária aos palestinianos na Cidade de Gaza, Faixa de Gaza, no sábado, 9 de março de 2024.
A Força Aérea dos Estados Unidos lança ajuda humanitária aos palestinianos na Cidade de Gaza, Faixa de Gaza, no sábado, 9 de março de 2024. Direitos de autor Associated Press
Direitos de autor Associated Press
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A Suécia e o Canadá vão retomar o pagamento da ajuda à agência das Nações Unidas para os refugiados palestinianos, UNRWA.

PUBLICIDADE

Outro dos principais doadores da agência da ONU para ajuda aos palestinianos, a UNRWA, disse no sábado que iria retomar o financiamento, semanas depois de mais de uma dúzia de países terem suspendido o apoio de centenas de milhões de euros em resposta às alegações israelitas contra a organização.

O recuo da Suécia ocorreu no momento em que um navio com toneladas de ajuda humanitária se preparava para deixar o Chipre em direção a Gaza, depois de os doadores internacionais terem lançado um corredor marítimo para abastecer o território sitiado por Israel, que enfrenta uma fome generalizada após cinco meses de guerra.

A decisão de financiamento da Suécia seguiu-se a outras semelhantes tomadas pela União Europeia e pelo Canadá, numa altura em que a agência das Nações Unidas conhecida como UNRWA adverte que poderá entrar em colapso e deixar a população de Gaza, já desesperada, com mais de 2 milhões de pessoas, com ainda menos assistência médica e de outro tipo.

"A situação humanitária em Gaza é devastadora e as necessidades são prementes", declarou o Ministro sueco do Desenvolvimento, Johan Forssell, acrescentando que a UNRWA concordou em aumentar a transparência e reforçar os controlos.

A Suécia irá conceder à UNRWA metade do financiamento de 34,7 milhões de euros que prometeu para este ano, e mais ainda.

O Canadá também declarou na sexta-feira que iria reiniciar o financiamento da UNRWA enquanto prosseguem as investigações sobre o pessoal da agência.

Israel acusou 12 dos milhares de funcionários da UNRWA de participarem nos ataques do Hamas a Israel, a 7 de outubro, que mataram 1200 pessoas e fizeram reféns cerca de 250 outras. Países como os Estados Unidos suspenderam rapidamente o financiamento da UNRWA no valor de cerca de 411 milhões de euros, quase metade do seu orçamento para o ano. A ONU lançou investigações e a UNRWA tem aceitado auditorias externas para recuperar o apoio dos doadores.

O número diário de camiões de ajuda humanitária que entram em Gaza desde a guerra tem sido muito inferior aos 500 que entravam antes de 7 de outubro, devido às restrições israelitas e a questões de segurança. A recente abertura de um novo corredor marítimo de Chipre para Gaza demonstrou uma frustração crescente com a crise humanitária de Gaza e uma nova vontade de contornar as restrições israelitas.

De acordo com o ministério, pelo menos 30.878 palestinianos foram mortos desde o início da guerra. O número de mortos não faz distinção entre civis e combatentes, mas afirma que as mulheres e as crianças representam dois terços dos mortos. O ministério faz parte do governo dirigido pelo Hamas e os seus números relativos a guerras anteriores coincidem em grande medida com os da ONU e de peritos independentes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE continua a financiar a UNRWA enquanto investiga o alegado envolvimento nos ataques de 7 de outubro

Financiamento da UNRWA deve manter-se para evitar uma catástrofe humanitária em Gaza

Aumenta a escassez de alimentos em Gaza