EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Primeiro-ministro polaco promete reforçar a segurança na fronteira com a Bielorrússia

Membros de um grupo de cerca de 30 migrantes que procuram asilo são vistos em Bialowieza, na Polónia, no domingo, 28 de maio de 2023.
Membros de um grupo de cerca de 30 migrantes que procuram asilo são vistos em Bialowieza, na Polónia, no domingo, 28 de maio de 2023. Direitos de autor Agnieszka Sadowska/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Agnieszka Sadowska/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, deslocou-se no sábado à fronteira com a Bielorrússia.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, visitou recentemente a fronteira com a Bielorrússia, que é também a fronteira externa da UE com o Estado autocrático, e comprometeu-se a fazer mais para reforçar a segurança.

Tusk acusou a Bielorrússia, aliada da Rússia, de intensificar aquilo a que chamou uma "guerra híbrida" contra o Ocidente, encorajando os migrantes a tentarem entrar na UE.

Prometeu que a Polónia não se poupará a despesas com a segurança das suas fronteiras.

"Sei que há cada vez mais travessias ilegais todos os dias", disse Tusk aos jornalistas na fronteira, onde se reuniu com soldados do exército polaco, guardas de fronteira e polícias.

Tusk referiu também "a ameaça crescente resultante da guerra russo-ucraniana, a agressão da Rússia contra a Ucrânia e a situação geopolítica incerta".

A visita à fronteira é a primeira de Tusk desde que assumiu o cargo em dezembro e ocorre depois de um juiz polaco ter desertado para a Bielorrússia este mês. As autoridades denunciaram o juiz como traidor e ele está a ser investigado por suspeita de espionagem.

Tusk reflete sobre a sua abordagem

Tusk substituiu o partido Lei e Justiça ou PiS, conhecido pelo seu impasse com a União Europeia em questões relacionadas com o Estado de direito. O anterior partido adotou uma posição forte contra a migração, o que o colocou em desacordo com outros aliados europeus quando assumiu o poder pela primeira vez em 2015. Desde então, porém, o clima geral contra a migração em toda a Europa endureceu.

Embora Tusk seja mais moderado em relação à migração do que alguns dos seus antecessores, opõe-se à migração não regulamentada.

Durante a sua visita, afirmou: "Esta não é apenas a fronteira interna da Polónia, mas também a fronteira da União Europeia. Por isso, não tenho dúvidas de que toda a Europa terá de investir na sua segurança - e sei que o conseguiremos - investindo na fronteira oriental da Polónia e na segurança da nossa fronteira".

Poland's Prime Minister Donald Tusk listens to the media in Berlin, Germany, Friday, March 15, 2024.
Poland's Prime Minister Donald Tusk listens to the media in Berlin, Germany, Friday, March 15, 2024.Ebrahim Noroozi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

A visita tem lugar semanas antes das eleições europeias de junho e Tusk parece querer enviar uma mensagem aos eleitores de que o seu partido político, a Coligação Cívica, é a favor da segurança das fronteiras e apoia os agentes de autoridade que aí se encontram.

"Vim hoje sobretudo para que os comandantes e os seus subordinados não tenham dúvidas de que o Estado polaco e o Governo polaco estão com eles em todas as situações, aqui na fronteira", afirmou.

Em 2021, um grande número de migrantes do Médio Oriente e de África começou a chegar ao longo da fronteira oriental da UE com a Bielorrússia. A UE acusou então o líder bielorrusso Alexander Lukashenko de encorajar a migração para desestabilizar a UE, depois de ter imposto sanções ao país devido a uma eleição amplamente considerada fraudulenta.

O anterior governo polaco respondeu à crise com a construção de um muro de aço.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições locais na Polónia testam Governo de Tusk há menos de quatro meses no poder

Tusk reforça laços de Varsóvia com Paris e Berlim: "A Europa tem de se tornar um continente seguro"

Polónia quer estar pronta caso haja um ataque da Rússia e pede à UE para dar mais armas à Ucrânia