EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Relatório da Human Rights Watch: Israel atacou pelo menos oito grupos de ajuda humanitária em Gaza

Palestiniano com a bandeira da ONU
Palestiniano com a bandeira da ONU Direitos de autor Mahmoud Illean/Copyright 2018 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Mahmoud Illean/Copyright 2018 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Israel não fez avisos aos grupos de ajuda humanitária antes dos ataques, diz relatório da Human Rights Watch.

PUBLICIDADE

As forças israelitas lançaram pelo menos oito ataques a grupos de ajuda humanitária e às suas instalações na Faixa de Gaza desde outubro, mesmo depois de as organizações terem fornecido as suas coordenadas a Israel.

A situação é denunciada num relatório da Human Rights Watch (HRW).

A HRW adianta que as Forças de Defesa de Israel não emitiram avisos às organizações humanitárias antes dos ataques.

Nos oito incidentes, as forças israelitas mataram pelo menos 15 pessoas, incluindo duas crianças, e feriram pelo menos 16.

No dia 1 de abril, sete trabalhadores humanitários da World Central Kitchen (WCK) foram mortos em ataques com drones na cidade de Deir al-Balah. Os mísseis atingiram três veículos da organização, sendo que dois deles estavam identificados com o logótipo da WCK no tejadilho e os três transportavam civis.

No relatório da HRW é mencionado que os veículos seguiam "uma rota que a organização disse ter acordado com os militares israelitas".´

Nos restantes sete ataques foram visados elementos de outros grupos e organizações como a Médicos Sem Fronteitas (18 de novembro de 2023, 8 de janeiro e 20 de fevereiro de 2024), a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (9 de dezembro de 2023 e 5 de fevereiro de 2024), o Comité Internacional de Resgate e a Ajuda Médica para os Palestinianos (18 de janeiro) e a Organização Americana de Ajuda aos Refugiados do Médio Oriente (8 de março). 

"Estes ataques estão a ter um efeito inibidor nos esforços para prestar ajuda vital em Gaza", conclui o relatório da HRW.

O documento foi publicado depois de, naúltima segunda-feira, um veículo da ONU ter sido alvo de fogo em Rafah, o que provocou a morte de um membro do Departamento de Proteção e Segurança das Nações Unidas e deixou um outro ferido, quando se deslocavam para o hospital europeu na cidade do sul de Gaza.

Um porta-voz da ONU disse que o secretário-geral, António Guterres, estava "profundamente entristecido", "condena todos os ataques contra o pessoal da ONU e pede uma investigação completa" ao sucedido.

A ONU informou que 254 trabalhadores humanitários foram mortos em Gaza desde 7 de outubro. Os funcionários da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) são 188 destas vítimas mortais. 

Esta agência das Nações Unidas avança que 169 das suas instalações foram afetadas pelas hostilidades e pelo menos 429 pessoas deslocadas foram mortas nos seus abrigos.

Pilhagem de camião de ajuda

Também na última segunda-feira manifestantes israelitas na Cisjordânia ocupada bloquearam camiões de ajuda destinados a Gaza, atirando pacotes de alimentos para a estrada e rasgando sacos de cereais.

Os camiões, que foram atacados no posto de controlo de Tarqumiya, a oeste de Hebron, vinham da Jordânia e dirigiam-se para Gaza, onde estão concentrados mais de um milhão de civis palestinianos em situação de carência alimentar.

A Casa Branca condenou o ataque, falando em "revolta total".

O grupo alegadamente responsável pelo bloqueio afirmou que estava a protestar contra a detenção dos reféns israelitas na Faixa de Gaza.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen

Palestinianos procuram por sobreviventes após ataque a campo de refugiados de Jabalia

Israel pode estar a violar direito internacional, diz relatório dos EUA