Mortos sete trabalhadores humanitários da ONG World Central Kitchen que distribuíam comida em Gaza

Quatro trabalhadores humanitários estrangeiros morrem num novo ataque israelita a Gaza
Quatro trabalhadores humanitários estrangeiros morrem num novo ataque israelita a Gaza Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Equipa da World Central Kitchen tinha estado a entregar refeições pouco antes de ser atingida por um alegado ataque israelita. ONG que tem levado ajuda alimentar a Gaza pela rota marítima a partir de Chipre anunciou pausa imediata nas operações.

PUBLICIDADE

Sete membros da organização não-governamental World Central Kitchen, entre os quais vários de nacionalidade estrangeira, morreram na segunda-feira vítimas de um alegado ataque israelita, denunciou a ONG.

Em comunicado, a World Central Kitchen revelou que os trabalhadores humanitários têm nacionalidade australiana, polaca, britânica, palestiniana e um tem dupla nacionalidade dos EUA e Canadá. Na mesma declaração, divulgada ao início da manhã de terça-feira, a diretora-executiva da ONG, Erin Gore, informa que a World Central Kitchen vai fazer uma pausa imediata nas operações na região.

"Tomaremos decisões sobre o futuro do nosso trabalho em breve", lê-se na nota, que sublinha que a equipa tinha coordenado movimentos com as Forças de Defesa de Israel e que os carros em que se deslocavam foram atingidos quando saíam de um armazém em Deir al-Balah "onde a equipa tinha descarregado mais de 100 toneladas de ajuda humanitária trazida para Gaza por via marítima".

"Este não é apenas um ataque contra a WCF, é um ataque às organizações humanitárias que avançam nas situações mais precárias onde a comida está a ser usada como arma de guerra. Isto é imperdoável", sublinha o comunicado.

"Estou de coração partido e estupefacta que nós - World Central Kitchen e o mundo - tenhamos perdido belíssimas vidas hoje, por causa de um ataque dirigido das IDF. O amor que tinham por alimentar as pessoas, a determinação que personificavam para mostrar que a humanidade se eleva acima de tudo, e o impacto que tiveram em vidas incontáveis será para sempre recordada e acarinhada", realça a declaração.

Funcionários humanitários viajavam em carros identificados

A equipa da World Central kitchen estava a viajar em dois carros distintos, identificados com as letras da Organização,  quando foi atingida. Pouco antes de morrerem, os trabalhadores humanitários tinham estado a descarregar e distribuir ajuda alimentar que tinha chegado a Gaza por via marítima na segunda-feira.

O fundador da ONG, o chef José Andrés, que tem nacionalidade espanhola e norte-americana, já confirmou nas redes sociais que "vários" membros da sua equipa morreram num alegado ataque aéreo israelita.

O primeiro-ministro da Austrália, Anthony Albanese, já confirmou que uma cidadã australiana, Zomi Frankcom, de 43 anos, que fazia um "trabalho extraordinariamente importante", está entre as vítimas mortais do ataque no norte de Gaza. Albanese pediu ainda que se apurem as responsabilidades totais do ataque que vitimou os trabalhadores humanitários.

O exército israelita revelou apenas em comunicado que "está a proceder a uma análise exaustiva ao mais alto nível para compreender as circunstâncias deste trágico incidente".

Os navios de ajuda que chegaram ao norte de Gaza, na segunda-feira, transportavam cerca de 400 toneladas de alimentos, sendo este carregamento organizado pelos Emirados Árabes Unidos e pela World Central Kitchen. Em março, um navio entregou 200 toneladas de ajuda numa operação piloto que inaugurou a rota marítima patrocinada pela União Europeia, com partida em Chipre.

Os Estados Unidos têm elogiado esta nova rota como uma nova forma de entregar ajuda “desesperadamente necessária” ao norte de Gaza, segundo as agências internacionais. Israel proibiu a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA), a principal agência da ONU em Gaza, de distribuir ajuda humanitária no norte de Gaza.

O alegado ataque áereo israelita de segunda-feira, terá ocorrido horas depois das tropas israelitas terem terminado um cerco de duas semanas ao hospital Shifa, o maior de Gaza, deixando as instalações praticamente destruídas e, segundo o Hamas, dezenas de cadáveres para trás.

Ataque em Rafah leva seis pessoas ao hospital

Pelo menos seis pessoas, incluindo três crianças, tiveram de receber assistência médica no hospital Al Najjar, na segunda-feira, após um alegado ataque israelita em Rafah, no sul da Faixa de Gaza.

Em Rafah vivem mais de um milhão de pessoas, na sua maioria deslocadas devido à guerra que começou a 7 de outubro de 2023, quando militantes liderados pelo Hamas invadiram o sul de Israel e mataram cerca de 1 200 pessoas.

Israel respondeu com uma ofensiva aérea, terrestre e marítima que matou pelo menos 32.845 palestinianos, cerca de dois terços dos quais mulheres e crianças, segundo o ministério da Saúde de Gaza.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel retira-se do hospital de Al-Shifa

Israel ataca acampamento no pátio de hospital

Conversações para cessar-fogo retomam no Cairo, Hamas denuncia 400 mortos no hospital al-Shifa