EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Netanyahu reconhece que morte de civis em ataque israelita a Rafah foi um "incidente trágico"

Médicos palestinianos transferem os corpos para a morgue do hospital Al Aqsa em Deir al Balah, no centro da Faixa de Gaza, a 26 de maio de 2024.
Médicos palestinianos transferem os corpos para a morgue do hospital Al Aqsa em Deir al Balah, no centro da Faixa de Gaza, a 26 de maio de 2024. Direitos de autor Jehad Alshrafi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Jehad Alshrafi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, reconheceu que foi cometido um "incidente trágico", depois de um ataque israelita ter provocado a morte de dezenas de pessoas na cidade de Rafah, no sul de Gaza.

PUBLICIDADE

Num discurso proferido perante o parlamento israelita esta segunda-feira, Netanyahu afirmou que Israel estava a investigar o ataque à cidade de Rafah na noite anterior, classificando-o como um "incidente trágico". 

"Apesar dos nossos maiores esforços para não ferir civis inocentes, ontem à noite houve um incidente trágico. Estamos a investigar o incidente e chegaremos a uma conclusão, porque é essa a nossa política".

Ainda assim, o chefe do governo israelita deixou claro que não vai recuar na ofensiva lançada contra Rafah.

Aqueles que dizem que não estão preparados para enfrentar a pressão levantam a bandeira da derrota; eu não levantarei essa bandeira, continuarei a lutar até que a bandeira da vitória seja levantada.
Benjamin Netanyahu
Primeiro-ministro de Israel

"Não tenciono acabar a guerra antes de todos os objetivos terem sido alcançados. Se cedermos, o massacre voltará. Se cedermos, daremos uma grande vitória ao terror, ao Irão", afirmou o primeiro-ministro de Israel.

Netanyahu negou ainda que ele e os seus aliados de coligação estejam a evitar chegar a um acordo para pôr termo aos combates e trazer os prisioneiros israelitas para casa.

"Rejeito totalmente a ideia de que não estou a dar à equipa de negociação o mandato que esta solicitou", declarou.

"Estas fugas de informação mentirosas que repetem a afirmação de que somos o obstáculo [a um acordo] são mentiras que não só prejudicam as famílias [dos reféns], como, muito pior, afastam ainda mais a liberdade [dos reféns] e prejudicam as conversações".

Israel voltou a receber críticas pelos ataques que, segundo as autoridades locais, mataram pelo menos 45 palestinianos, incluindo pessoas deslocadas que viviam em tendas e que foram engolidas pelo fogo. Segundo o Ministério da Saúde de Gaza, cerca de metade dos mortos eram mulheres, crianças e idosos.

"Estas operações têm de parar. Não existem zonas seguras em Rafah para os civis palestinianos. Apelo ao pleno respeito pelo direito internacional e a um cessar-fogo imediato", escreveu o presidente Emmanuel Macron na rede social X.

O ministro italiano da Defesa, Guido Crosetto, afirmou que bombardeamentos como o de Rafah terão repercussões duradouras para Israel.

"Israel, com esta escolha, está a espalhar o ódio, a enraizar o ódio que envolverá os seus filhos e netos. Teria preferido outra decisão", disse Crosetto ao canal de notícias SKY TG24 de Itália.

O Qatar, um dos principais mediadores entre Israel e o Hamas na tentativa de garantir um cessar-fogo e a libertação dos reféns detidos pelo Hamas, salientou que os ataques poderão "complicar" as negociações. 

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Egipto descreveu o ataque a Tel al-Sultan como uma "nova e flagrante violação das regras do direito internacional humanitário". O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Jordânia, por sua vez, falou mesmo em "crime de guerra".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos 50 mortos após ataques aéreos israelitas em Rafah

Tribunal Internacional de Justiça ordena a Israel que suspenda ofensiva em Rafah

ONU avisa que sistema de saúde de Gaza "está de rastos" e suspende entregas de ajuda em Rafah