EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

EUA esperam resposta positiva de Israel sobre acordo de cessar-fogo e de reféns em Gaza

EUA esperam resposta positiva de Israel sobre acordo de cessar-fogo e de reféns em Gaza
EUA esperam resposta positiva de Israel sobre acordo de cessar-fogo e de reféns em Gaza Direitos de autor Omar Sanadiki/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Omar Sanadiki/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Egipto anunciou que o Hamas encarou a proposta de “forma positiva”. Entretanto, os alegados ataques israelitas prosseguem na Faixa de Gaza, mas também na Síria.

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos afirmaram que esperam que Israel concorde com um acordo de cessar-fogo e de reféns, depois do ministro dos Negócios Estrangeiros do Egipto ter dito que o Hamas encarou a proposta “de forma positiva”.

O secretário de Estado norte-americano Anthony Blinken discutiu o acordo com altos ministros israelitas, incluindo Benny Gantz, membro do gabinete de guerra. Gantz deixou claro, segundo a AP, que o regresso dos reféns é “prioritário”, mas disse anteriormente que se demitiria se o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu não se comprometesse com um plano para o “dia seguinte” para Gaza até 8 de junho.

Joe Biden apresentou acordo em três fases

Na sexta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou um acordo em três fases proposto por Israel ao grupo Hamas, que disse que poderia acabar com a guerra na Faixa de Gaza e libertar os reféns que permanecem no enclave.

De acordo com o presidente dos EUA, citado pela AP, a primeira fase do acordo duraria seis semanas e incluiria um "cessar-fogo total e completo", a retirada das forças israelitas de todas as áreas povoadas da Faixa de Gaza e a libertação de vários reféns em posse do Hamas, em troca de centenas de prisioneiros palestinianos.

Entretanto, os alegados bombardeamentos e as operações terrestres israelitas prosseguem na Faixa de Gaza, mas também na Síria.

Pelo menos dez pessoas, incluindo três crianças, morreram e outras ficaram feridas em novos ataques israelitas contra duas casas na zona de Rumaydah, a leste da cidade de Khan Younis. Pouco antes, 10 civis perderam a vida num ataque de aviação contra duas casas situadas nos campos de refugiados de Bureij e Nuseirat, no centro de Gaza.

Tropas israelitas efetuam ataque noturno contra a Síria

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos anunciou que 16 membros de grupos pró-iranianos morreram na sequência de um ataque noturno israelita contra uma fábrica perto da cidade de Alepo, na Síria.

“A agressão causou numerosos mártires e algumas perdas materiais”, pode ler-se na agência de notícias síria SANA. Israel não reconheceu imediatamente os ataques, mas raramente o faz quando se trata da Síria.

A Síria e Israel estão em guerra desde a fundação de Israel em 1948. O presidente da Síria, Bashar al-Assad, tem sido apoiado pelo Irão na guerra que dura há vários anos e os ataques israelitas já tiveram como alvo posições e equipamento iranianos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Palestinianos procuram pertences em Jabalia após retirada das tropas israelitas

Israel assume controlo da fronteira entre a Faixa de Gaza e o Egito

Novo ataque em Rafah faz 37 mortos. Casa Branca diz que Israel ainda não passou linhas vermelhas