EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

FMI pede investimento e coordenação aos países do G20

FMI pede investimento e coordenação aos países do G20
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com Lusa, EFE, AFP, Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O Fundo Monetário Internacional (FMI) defende um plano coordenado de estímulos dos países do G20 para evitar que o crescimento económico descarrile

PUBLICIDADE

O Fundo Monetário Internacional (FMI) defende um plano coordenado de estímulos dos países do G20 para evitar que o crescimento económico descarrile.

Num relatório publicado antes da reunião do G20, a instituição liderada por Christine Lagarde alerta para a grande vulnerabilidade da economia mundial.

#G20 needs to take bold action to rejuvenate global growth. Read IMF G20 note. https://t.co/MqmX8KcXiz

— IMF (@IMFNews) 24 de fevereiro de 2016

O FMI pede aos países, aos que podem, que usem a margem orçamental para fomentar o investimento público e a procura interna. Um apelo que visa, sobretudo, os Estados Unidos e a Alemanha.

Os ministros das Finanças e os governadores dos Bancos Centrais dos países do G20 reúnem-se esta sexta-feira e sábado em Xangai, na China.

A situação económica mundial é delicada. Os países emergentes estão em dificuldades, a economia chinesa desacelerou e os preços das matérias-primas estão a penalizar os países produtores. Deverá ser evocada também a política monetária.

O FMI defende que as grandes economias deixem de se apoiar na política monetária para impulsionar a economia.

O organismo, sediado em Washington, evoca ainda a hipótese de baixar as previsões económicas em abril. Em janeiro, já tinha reduzido as estimativas de crescimento para 2016 de 3,6 para 3,4%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A reeleição de Trump poderá afetar a economia europeia em 150 mil milhões de euros

Portugal celebra as feras e os heróis míticos com uma moeda de Ulisses

O mundo está a ficar mais rico, mas quem é que está a beneficiar?