Turismo britânico teme efeitos de um eventual Brexit

Turismo britânico teme efeitos de um eventual Brexit
De  Patricia Cardoso com ASSOCIATED PRESS, VISITBRITAIN.ORG
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A 20 dias do referendo sobre a permanência ou saída do Reino Unido da União Europeia, o setor turístico britânico está preocupado.

PUBLICIDADE

A 20 dias do referendo sobre a permanência ou saída do Reino Unido da União Europeia, o setor turístico britânico está preocupado.

O turismo representa cerca de 9% do PIB britânico. Em termos anuais, o setor rende 22,1 mil milhões de libras, o equivalente a 28 mil milhões de euros.

Para UK Inbound, que representa 360 empresas turísticas, sair da UE seria um “suicídio económico”. Deidre Wells, presidente executiva da organização, acrescenta: “Porque iríamos retirar-nos voluntariamente de um mercado que representa dois terços do negócio dos nossos membros?”.

Para outros, os efeitos de um Brexit seriam positivos e negativos.

A saída da UE iria provocar a desvalorização da libra e, segundo Alexander Goranson, analista do mercado turístico: “Os britânicos iriam viajar menos para o estrangeiro e ficar em casa. Mas por outro lado, o Reino Unido iria ser um destino mais atrativo para os turistas estrangeiros já que seria relativamente mais barato”.

No ano passado, mais de 36 milhões de pessoas visitaram o Reino Unido. Sessenta e sete por cento eram cidadãos da União Europeia.

Os próprios turistas estão divididos sobre o Brexit.

Marco Ghiribelli, turista italiano, afirma: “Eu apoio o Brexit, porque não faz sentido economicamente. A economia britânica é mais forte do que a da maioria dos países da União Europeia”.

Já Babette Pascalev, oriunda da Alemanha, defende: “Penso que é difícil, porque a ideia é unir a Europa e não separá-la”.

O turismo britânico representa três milhões de empregos. Segundo um estudo da consultora Deloitte, é o setor com maior rácio de crescimento em termos de emprego.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Preço do azeite sobe mais de 50% num ano na UE, Portugal registou o maior aumento

O preço do amor: porque sai tão caro encontrar alguém?

Corredor central Ásia-Europa essencial para combater subida nos preços