EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Presidencias dos EUA: Sondagem favorável a Trump assusta investidores

Presidencias dos EUA: Sondagem favorável a Trump assusta investidores
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Bolsa de Nova Iorque fechou terça-feira no "vermelho" tal como já esta quarta-feira os mercados asiáticos, enquanto na Europa os ativos seguros vão sendo o refúgio privilegiado.

PUBLICIDADE

A bolsa de Nova Iorque fechar terça-feira no “vermelho”. Os mercados europeus acordaram esta quarta-feira sobressaltados. Tudo por causa de uma sondagem como há muito não se via em relação às presidenciais dos Estados Unidos.

A uma semana das eleições, o jornal Washington Post e a cadeia de televisão ABC divulgaram uma consulta de preferências que colocou Donald Trump à frente de Hillary Clinton, na corrida pela sucessão de Barack Obama.

Era uma vantagem de apenas um ponto e dentro da margem de erro estabelecida, mas os investidores, alertados pela experiência do referendo sobre o “Brexit”, estão a optar por aplicar o dinheiro em ativos seguros como o ouro ou o franco suíço.

Renascimento de Donald Trump provoca um colapso nos mercados https://t.co/4phbgvR7US#economiaaominuto

— Notícias ao Minuto (@noticiaaominuto) 2 de novembro de 2016

O diretor de investimento da Fernwealth tem visto “esta semana os investidores a evitar correr riscos”. “É compreensível quando pensamos, por exemplo, na percentagem de pessoas em Londres — incluindo a maioria da City —, em Nova Iorque ou em qualquer outro lugar que estava confiante de que o ‘Brexit’ não iria ser aprovado. Seria ingénuo agora os investidores não serem mais cautelosos e reduzirem a exposição ao risco nestes derradeiros dias da campanha norte-americana”, considerou Alastair McCaig.

As ondas de choque do reequilíbrio na corrida entre Trump e Hillary, provocado pela reabertura do FBI da investigação aos e-mails da candidata democrática quando era secretária de Estado, fizeram-se sentir inclusive na Ásia, onde as principais bolsas fecharam em queda.

O mercado de Hong Kong fechou em mínimos de mais de dois meses, cedendo 1,45 por cento, e o japonês Nikkei encerrou a recuar 1,76 por cento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sondagem dá vantagem a Trump

É provável que os preços do café continuem a subir devido às "terríveis" regras da UE

Mercados recuperam na expectativa de que a extrema-direita não vencerá segunda volta em França