EUA e China celebram acordo comercial

EUA e China celebram acordo comercial
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
PUBLICIDADE

Os Estados Unidos da América e a China celebraram um novo acordo comercial.
Pequim vai abrir o seu mercado às agências de notação de Washington e retomar a importação de carne de vaca. Foram assim alcançados os primeiros resultados do plano de 100 dias que reforça as relações comerciais entre as duas maiores economias do mundo.

Numa conferência de imprensa, o vice-ministro chinês das Finanças, Zhu Guangyao, informou que “ambos os lados concordaram com base no plano de 100 dias da cooperação económica China – Estados Unidos que ambas as partes vão discutir mais prorrogando o período em um ano do plano de cooperação económica, e impulsionar ações destinadas a promover o intercâmbio económico entre a China e os Estados Unidos”.

O documento, de 10 pontos, informa que os norte-americanos vão passar a exportar carne de vaca para a China, já a partir de 16 de julho. Na mesma data, aceitam importações chinesas de carnes de aves.

Na área financeira, Pequim aceita a entrada, no mercado, das companhias de cartões de crédito, que é dominado pela chinesa Union Pay.

A relação entre os dois países parece estar mais branda. Antes do encontro com o presidente chinês, Xi Jinping, em abril, Donald Trump avisava, no Twitter, que seria uma reunião difícil.

The meeting next week with China will be a very difficult one in that we can no longer have massive trade deficits…

— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) March 30, 2017

Durante a campanha eleitoral, Trump acusou a China de concorrência desleal e de destruir postos de trabalho nos Estados Unidos, prometendo reduzir o défice comercial entre os dois países.

Once again Obama fails to classify China as a currency manipulator. He just helped China steal even more jobs and money from us.

— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) October 15, 2012

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataques ucranianos às refinarias de petróleo russas: qual é o impacto?

Onde é que na Europa existe maior desigualdade de riqueza?

Institutos alemães baixam para 0,1% perspetiva de crescimento do PIB deste ano