BCE responde à letra a Donald Trump

BCE responde à letra a Donald Trump
Direitos de autor  REUTERS/Ralph Orlowski
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, respondeu às ameaças de imposição de tarifas por parte dos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

O Banco Central Europeu (BCE) deu mais um passo no abandono dos estímulos ao euro, ao decidir não aumentar a compra de obrigações. O presidente do BCE, Mario Draghi, anunciou que este programa de 2,5 biliões de euros iria continuar para lá de setembro, se necessário, mas deu a entender que não iria ser prolongado para lá do fim do ano. Falou também da ameaça de Donald Trump de aplicar tarifas aos produtos europeus: "Há alguma preocupação com o estado das relações internacionais, porque se aplicamos tarifas aos nossos aliados, quem serão então os nossos inimigos?", disse Draghi.

No Dia Internacional da Mulher, Draghi não se esquivou a responder a uma pergunta sobre a igualdade. Dos 25 membros do Conselho de Governadores do BCE, apenas dois são mulheres: "Com certeza que o equilíbrio entre os sexos deveria ser melhorado e isso deveria acontecer a todos os níveis".

Nesta conferência que se seguiu à reunião de política monetária, Draghi disse ainda que a economia da Zona Euro poderia vir, este ano, a subir mais que o previsto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

BCE revê em baixa crescimento da Zona Euro

Ataques ucranianos às refinarias de petróleo russas: qual é o impacto?

Onde é que na Europa existe maior desigualdade de riqueza?