EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

O efeito devastador do bloqueio na economia da Faixa de Gaza

O efeito devastador do bloqueio na economia da Faixa de Gaza
Direitos de autor REUTERS/Mohammed Salem
Direitos de autor REUTERS/Mohammed Salem
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Com mais de metade da população a viver na pobreza e uma economia em ruínas, a Faixa de Gaza luta pela sobrevivência

PUBLICIDADE

Um milhão e oitocentos mil palestinianos vivem desde 2007 "bloqueados" por Israel na Faixa de Gaza, sem acesso ao resto dos territórios palestinianos, nem ao mundo externo.

Segundo o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), em 2017, 53% vivia abaixo do limiar da pobreza, com o equivalente a menos de 4 euros por dia.

A economia de Gaza encontra-se em ruínas.

Moeen Rajab, economista: "Existem estimativas oficiais da taxa de desemprego na Faixa de Gaza, que variam entre 43% e 44% em termos gerais e chegam aos 50/60% entre os mais jovens. É um resultado do bloqueio, que não providencia qualquer oportunidade de trabalho e fecha as portas a todas as formas de produtividade e desenvolvimento, reduzindo assim bastante as oportunidades de emprego."

Fundada em 2011 em parceria com a Google e a ONG Mercy Corps, a Gaza Sky Geeks tenta "romper" o bloqueio, providenciando treino e recursos tecnológicos, como acesso rápido à internet, à população na Faixa de Gaza. 

Saed Habib é o responsável pelos programas de "freelance" da Gaza Sky Geeks:

"O trabalho à distância é uma forma de vida para qualquer pessoas com determinadas capacidades, que possa trabalhar 'online'. Vivemos todos nesta região, vemos e sofremos com as condições que nos rodeiam. Os recém licenciados enfrentam diariamente um bloqueio sufocante que destruiu a maioria das oportunidades. Nunca há novos trabalhos e as oportunidades diminuem gradualmente."

Oportunidade de emprego e negócio parecem miragens num território onde 90% da água não é potável e a eletricidade apenas funciona quatro horas por dia.

Dalal Al Aziz, estudante: "Sou estudante universitária e estou no quarto ano. Sei que quando me licenciar não terei emprego, porque vejo todos os que acabaram antes de mim e que continuam desempregados."

Loay Qannan, desempregado: "Estou em casa. Só preciso de um computador, eletricidade, internet e um telemóvel. São necessidades básicas, sem as quais não posso trabalhar. Aqui enfrentamos muitas dificuldades pela falta de eletricidade e internet."

Em 2012, cinco anos após o início do bloqueio, as Nações Unidas lançavam o alerta: as condições de vida na Faixa de Gaza seriam insustentáveis em 2020. No ano passado, a ONU afirmava que a vida da população no enclave palestiniano estava a deteriorar-se de forma "mais profunda e mais rápida" do que as previsões de 2012.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos

Eleições europeias: será que a onda de extrema-direita vai pressionar o sector das energias renováveis?