EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

UE e Vietname assinam acordo de livre comércio

UE e Vietname assinam acordo de livre comércio
Direitos de autor REUTERS/Kham
Direitos de autor REUTERS/Kham
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Acordo assinado em Hanoi vai eliminar progressivamente 99% das taxas alfandegárias

PUBLICIDADE

A União Europeia assinou, em Hanoi, um acordo de livre comércio com o Vietname, o primeiro do género com um país em vias de desenvolvimento, que prevê a eliminação progressiva de 99 por cento das taxas alfandegárias.

Concluído após sete anos de negociações, o acordo permitirá um melhor acesso da Europa ao mercado vietnamita, com mais de 95 milhões de consumidores.

A Comissária Europeia para o Comércio, Cecilia Malmström, afirmou que "a União Europeia é o maior investidor de forma global, mas no Vietname foi até ao momento relativamente modesta. Ficou em pouco mais de 8 mil milhões de euros em 2016. Mas com o novo acordo de proteção do investimento, isso vai aumentar. Vai substituir velhos acordos bilaterais, garantindo uma proteção do investimento de alto nível, através de uma definição clara de padrões".

O acordo - que ainda precisa de ser ratificado no Parlamento Europeu - inclui regras sobre as condições de trabalho, o respeito do ambiente e a propriedade intelectual no Vietname, mas Bruxelas viu-se criticada pela pouca pressão sobre Hanoi em termos do respeito dos Direitos Humanos.

Na Ásia, a União Europeia já tinha acordos comerciais com a Coreia do Sul, o Japão e Singapura. O pacto com o Vietname surge dois dias depois do acordo de livre comércio com o bloco sul-americano do Mercosur, concluído após duas décadas de diálogo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos

Eleições europeias: será que a onda de extrema-direita vai pressionar o sector das energias renováveis?