EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Cuba revê previsões turísticas em baixa

Cuba revê previsões turísticas em baixa
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As sanções impostas pelos EUA vão ter um impacto negativo da ordem dos 10% no turismo de Cuba. Apesar disso, Havana espera 4.3 milhões de visitantes em 2019

PUBLICIDADE

O governo de Cuba reviu em baixa de 15% as espetativas sobre o turismo em 2019, na sequência da decisão dos Estados Unidos de proibirem os navios de cruzeiro americanos de fazerem escala na ilha.

É um golpe para a economia do país que não desmoraliza o governo. O ministro do Turismo, Manuel Marrero, diz que "a medida do governo norte-americano tem um impacto real sobre o turismo, mas que ainda assim, Cuba deverá receber mais de 4 milhões e 300 mil turistas".

Havana queria ultrapassar este ano a barreira dos 5 milhões de visitantes, mas o tio Sam voltou a fazer das suas. No dia 5 de junho, os Estados Unidos anunciaram novas sanções contra a indústria turística cubana, um setor essencial para a economia da ilha, acusada de interferência na Venezuela por apoiar o regime do presidente Nicolas Maduro.

Washington proíbiu os americanos de viajaemr para Cuba em viagens de grupo. As sanções também se aplicam a cruzeiros, barcos de pesca ou de recreio e à aviação privada ou de negócios. Cuba recebeu mais de 400 mil turistas americanos entre janeiro e maio.

Em 2018 o país recebeu mais de 4 milhões e 700 mil turistas, provenientes sobretudo do Canadá, Alemanha, França, Reino Unido, Itália, Espanha, Portugal e Rússia.

Contrariamente aos Estados Unidos, a União Europeia mantém o apoio ao governo de Havana. As relações foram reforçadas num acordo de diálogo político e de cooperação e o próxima cimeira UE-Cuba está prevista para setembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ativistas cubanos visitam Parlamento Europeu

BMW, Jaguar e Volkswagen criticadas por importarem peças e automóveis chineses proibidos

Microsoft compromete-se a investir 4,3 mil milhões de dólares em França