EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Espanha propõe "plano Marshall" de 1,5 biliões de euros em dívida perpétua

Espanha propõe "plano Marshall" de 1,5 biliões de euros em dívida perpétua
Direitos de autor AP Photo/Manu Fernandez
Direitos de autor AP Photo/Manu Fernandez
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O primeiro-ministro espanhol deverá propor o plano no próximo Conselho Europeu e serve de alternativa à proposta do Eurogrupo.

PUBLICIDADE

Financiamento com recurso a dívida perpétua. O governo espanhol vai propor ao Conselho Europeu a criação de um fundo 1 bilião e meio de euros para ajudar os países mais afetados pela emergência da Covid-19.

Uma proposta de transferência de recursos em que apenas os juros seria pagos. O montante, 1 bilião e meio, é basicamente do tamanho da economia de Itália.

Ou seja, três vezes mais do que os 500 mil milhões de euros propostos pelo Eurogrupo e por transferência e não em forma de dívida pública.

De acordo com o jornal "El Pais", a ideia será de criar um mecanismo ligado ao orçamento comunitário, à semelhança do que França chegou a propor no início do mês,

Até agora, as medidas planeadas pelo Eurogrupo baseiam-se em financiamentos por empréstimo, o que levaria um endividamento excessivo o que colocaria em risco a recuperação de Estados, ainda a sofrerem as consequências da última crise, como Portugal.

A ideia seria lançar bases para o tão referido Plano Marshal com o objetivo de sustentar a recuperação economia da União Europeia e não para necessidades imediatas, pois, aí entraria o financiamento através de mercados de dívida, com juros competitivos face a uma intervenção do Banco Central Europeu.

O Banco de Espanha estima que a economia do país vai cair 13 % este ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos

Eleições europeias: será que a onda de extrema-direita vai pressionar o sector das energias renováveis?