EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Bruxelas prevê recessão "histórica" na União Europeia em 2020

Bruxelas prevê recessão "histórica" na União Europeia em 2020
Direitos de autor YANN SCHREIBER/AFP
Direitos de autor YANN SCHREIBER/AFP
De  Rodrigo Barbosa com AFP / Lusa
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Queda do PIB 7,7% na Zona Euro. Portugal cai 6,8% este ano, mas retoma crescimento em 2021

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia prevê para 2020 uma recessão "histórica" no bloco comunitário, em consequência da pandemia de coronavírus.

Bruxelas estima uma queda recorde de 7,7% no Produto Interno Bruto da Zona Euro. Todos os países terminarão o ano no vermelho, com Portugal a registar uma contração de 6,8% no PIB, antes de voltar a recuperar, tal como os restantes Estados-membros, em 2021.

A Comissão aponta para uma recuperação de 5,8% no PIB português no próximo ano, e de 6,3% na totalidade da Zona Euro.

Tanto a recessão como a recuperação serão irregulares. Estes números agregados escondem diferenças consideráveis entre os países. A inflação também será significativamente mais fraca. Espera-se também uma queda significativa nos preços no consumidor este ano, refletindo um forte enfraquecimento na procura, bem como uma forte queda nos preços do petróleo.
Paolo Gentiloni
Comissário Europeu para a Economia

Os países onde a recessão será mais marcada são, sem surpresa, a Grécia, a Itália e a Espanha, fortemente dependentes das receitas do turismo.

Ao nível do mercado de trabalho, Bruxelas prevê uma subida de 9,7% na taxa de desemprego em Portugal em 2020. Para 2021, a Comissão Europeia estima uma diminuição da taxa de desemprego dos 9,7% para os 7,4%.

As previsões do relatório da primavera são, ainda assim, mais otimistas do que as do Fundo Monetário Internacional (FMI), que apontou para Portugal uma quebra económica de 8,0% e desemprego de 13,9% em 2020.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O mundo está a ficar mais rico, mas quem é que está a beneficiar?

Classificação dos salários médios europeus: qual é a posição do seu país?

Quais são os desafios económicos da segunda volta das eleições em França?