EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Igualdade de géneros só será atingida dentro de 135 anos

Igualdade de géneros só será atingida dentro de 135 anos
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Bruno Sousa
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Estimativa do Fórum Económico Mundial agravada devido à pandemia de covid-19

PUBLICIDADE

A pandemia de covid-19 agravou consideravelmente a desigualdade de géneros. A conclusão é do relatório anual do Fórum Económico Mundial, que estima que a igualdade entre os sexos só seja atingida daqui a 135 anos, mais 35 anos do que no relatório do ano passado.

A euronews falou com a diretora administrativa da organização, Saadia Zahidi, para saber porque é que o efeito da pandemia foi tão devastador:

"A pandemia teve um enorme impacto na participação de mulheres no mundo laboral. Ao mesmo tempo, não relacionado com a pandemia, registou-se uma quebra no progresso que tinha sido feito no passado relativamente ao empoderamento político das mulheres, particularmente em algumas das maiores economias. É o momento para pensar na igualdade de géneros e na inclusão, ao mesmo tempo que pensamos na recuperação económica. Não existem meias-recuperações."

A viagem rumo à igualdade ainda é longa, mas Saadia Zahidi traça o caminho a seguir:

"Uma forma (de chegar à igualdade) prende-se com a economia e com as infraestruturas de cuidados. Se não criarmos soluções para cuidar de crianças e dos idosos e se a nossa cultura continuar a depender das mulheres para fazer esse trabalho gratuitamente, então continuaremos a ter desigualdade de género.

Outra medida passa pela revolução das competências. O trabalho futuro vai exigir enormes requalificações de competências, evolução constante e reconversões profissionais.

A terceira solução passa pela diversidade na liderança. Se quisermos ser criativos para sair desta crise, podemos ter quotas, podemos ter objetivos e é preciso que sejam quotas e objetivos inteligentes. Podemos assegurar, por exemplo, que se as empresas precisarem de aumentar consideravelmente as contratações no próximo ano, quando a economia retomar, que respeitem a igualdade de género nas contratações."

O relatório do Fórum Económico Mundial revelou ainda os países que mais se destacam na igualdade entre homens e mulheres. O ranking de 156 países é liderado pela Islândia. Portugal subiu 13 lugares relativamente ao ano passado e está na 22.ª posição.

Entre os restantes países de língua portuguesa, destaque para Moçambique, no 32.º lugar. Timor-Leste é 64.º, Cabo Verde 68.º, Brasil 93.º e Angola 119.º.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

NOVAFRICA discute papel da mulher no desenvolvimento de África

Produtores de champanhe votam a favor de colheitas mais pequenas, com vendas em queda

Como a falha global da Microsoft está a afetar as empresas em todo o mundo