EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Índia quer tornar-se principal exportador de trigo

Campo de trigo na Índia. -
Campo de trigo na Índia. - Direitos de autor Channi Anand/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Channi Anand/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Objetivo é satisfazer procura devido à guerra na Ucrânia.

PUBLICIDADE

A Índia quer tornar-se o principal exportador de trigo para o mercado mundial, dada a continuação da guerra na Ucrânia e consequente escassez da oferta do cereal.

O país é o segundo maior produtor mundial de trigo mas até ao presente a produção destinava-se na sua maior parte ao consumo interno.

Neste momento há falta de trigo em muitos países devido à interrupção das cadeias de produção e fornecimento, por causa da guerra na Ucrânia. A Índia vai começar a exportar para satisfazer esta procura. Nós temos trigo em abundância, bastar ver.
Suraj Chauhan, agricultor

A produção concentra-se no norte do país, onde um distribuidor se prepara para enviar seis toneladas do trigo para o Egito, o maior importador mundial do cereal. Uma tonelada de trigo indiano tem um preço médio de 300 euros , em comparação aos 380 euros do trigo proveniente de França, por exemplo.

O diretor da maior produtora e exportadora agro-alimentar do país, Namkala World Trade, explica a decisão.

Antes da guerra, tínhamos reservas de trigo em armazém por dois ou três meses, muitas vezes até seis meses. Mas agora, com a guerra, vamos começar a exportar.
Sachin Barode, diretor do Namkala World Trade

A Ucrânia e a Rússia produzem 30% do trigo vendido em todo o mundo. Mas enquanto um país não vai poder cultivar em grande parte do seu território, o outro terá de enfrentar uma chuva de sanções internacionais para poder exportar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE apela à Índia para abandonar neutralidade

Boris Johnson visita a Índia

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos