EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

BCE apresenta Instrumento de Proteção da Transmissão após subir taxas de juro

Christine Lagarde, presidente do BCE
Christine Lagarde, presidente do BCE Direitos de autor Michael Probst/AP
Direitos de autor Michael Probst/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pela primeira vez nesta década, o Banco Central Europeu (BCE) anunciou um aumento das taxas de juro. Combate à crise da dívida tem um novo instrumento.

PUBLICIDADE

O Banco Central Europeu (BCE) vai aumentar pela primeira vez em 11 anos as taxas de juro. Christine Lagarde, presidente do BCE, anunciou, esta quinta-feira, uma subida de meio ponto percentual (0,5%), com o objetivo de travar a escalada da inflação na zona euro e de fazê-la regressar aos 2%, a médio prazo. Em junho, situava-se nos 8,6%

A medida, que fará subir 50 pontos todas as três principais taxas, - de referência, de depósitos e de desconto - significa o fim das taxas negativas.

De acordo com Lagarde, inflação deverá continuar "indesejavelmente elevada", nos próximos tempos, e "está a alastrar-se a cada vez mais setores".

O cenário é agravado pelo abrandamento económico, a subida dos preços da energia e "disrupções nas cadeias de abastecimento".

A inflação continua a ser indesejavelmente elevada e prevê-se que se mantenha acima do nosso objetivo durante algum tempo
Christine Lagarde
Presidente do Banco Central Europeu

Com as estatísticas a apontarem para "um abrandamento do crescimento para a segunda metade de 2022 e depois", e estando, "ao mesmo tempo, esta desaceleração a ser amortecida por uma série de fatores de apoio", o Conselho do BCE aprovou ainda a criação do Instrumento de Proteção da Transmissão (IPT).

O IPT consiste num programa anticrise da dívida pública para "apoiar a transmissão eficaz da política monetária" e permitir ao "Conselho do BCE cumprir mais eficazmente o mandato de manutenção da estabilidade de preços".

Através deste instrumento, o BCE poderá intervir, caso seja necessário, para impedir um aumento desproporcionado das taxas de juro de alguns países, através da compra de títulos de dívida.

Mas a intervenção do IPT, que o BCE diz que avaliará caso a caso, exige aos países da zona euro o preenchimento de vários critérios, nomeadamente:

  • Estar em conformidade com o quadro fiscal da UE: não estar sujeito a um procedimento por défice excessivo, ou não ter falhado no cumprimento de uma recomendação do Conselho da UE
  • Ausência de desequilíbrios macroeconómicos graves: não estar sujeito a um procedimento de desequilíbrio excessivo, ou não ter tomado as medidas corretivas recomendadas pelo Conselho da UE
  • Sustentabilidade orçamental, baseada nas análises de sustentabilidade da dívida da Comissão Europeia, do Mecanismo de Estabilidade Europeu, do Fundo Monetário Internacional e de outras instituições, juntamente com a análise interna do BCE
  • Políticas macroeconómicas sólidas e sustentáveis, através do cumprimento dos compromissos apresentados nos planos de recuperação e resiliência para o Mecanismo de Recuperação e Resiliência e das recomendações específicas por país da Comissão Europeia na esfera fiscal no âmbito do Semestre Europeu.
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

BCE encerra compras de dívida pública e aponta ao fim do "crédito barato"

Bruxelas vai rever regras sobre dívida pública, despesa e investimento

BMW, Jaguar e Volkswagen criticadas por importarem peças e automóveis chineses proibidos