EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Suíça regista o maior aumento de sempre da taxa de juro diretora

Edifício sede do Banco Central da Suíça
Edifício sede do Banco Central da Suíça Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Banco Nacional da Suíça anunciou o maior aumento de sempre da taxa de juro diretora, para arrefecer a inflação que atingiu os 3,5% em agosto

PUBLICIDADE

O Banco Nacional da Suíça efetuou, esta quinta-feira, a maior subida de sempre da taxa de juro diretora, seguindo a Reserva Federal norte-americana (FED) e outros bancos centrais em todo o mundo para travar a inflação.

A subida foi de três quartos de ponto percentual e o banco não descarta novos aumentos, apesar de o país ser visto como menos vulnerável às pressões inflacionistas por já ter preços acima de muitos países europeus.

A taxa aumentou de menos 0,25% para 0,5%, que será efetiva a partir de sexta-feira. O objetivo é arrefecer a inflação que chegou a 3,5% em agosto.

 A inflação nos 19 países que utilizam o euro atingiu um recorde de 9,1% em agosto.

Um recente aumento do valor do franco em relação ao euro, por exemplo, levou muitos consumidores suíços a atravessar a fronteira para países vizinhos como a França ou a Alemanha para comprar gasolina e outros bens de consumo que, de repente, são relativamente menos caros nesses países.

A mudança do banco suíço surge um dia depois de a FED também ter aumentado a sua taxa diretora em três quartos de ponto pela terceira vez consecutiva, sinalizando que mais aumentos virão.

O Banco Central Europeu (BCE) também se sentiu pressionado no início deste mês, e o Banco de Inglaterra está sob pressão para se movimentar no mesmo sentido.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições Francesas: vitória da esquerda provoca queda do euro

Fabricante de chocolates planeia Nutella vegana

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros