Economia social: o que está a União Europeia a fazer para a impulsionar?

Em parceria com The European Commission
Economia social: o que está a União Europeia a fazer para a impulsionar?
Direitos de autor euronews
De  Bryan CarterEuronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button

Saiba como é que a União Europeia planeia ultrapassar os desafios que a economia social europeia enfrenta, do financiamento aos obstáculos jurídicos e à visibilidade.

Existem atualmente 2,8 milhões de entidades da economia social na Europa, que empregam 13,6 milhões de trabalhadores.

Estas entidades abrangem cooperativas e empresas sociais e estão ativas em quase todos os setores económicos.

A economia social é fundamental para a concretização dos princípios consagrados no Pilar Europeu dos Direitos Sociais, como a igualdade de oportunidades, o emprego digno e a inclusão de todas as pessoas.

Mas também enfrenta vários desafios, como o acesso ao financiamento, os obstáculos jurídicos e a falta de visibilidade.

Por essa razão, a Comissão Europeia adotou um plano de ação centrado em três prioridades:

  • Melhorar as políticas e os quadros jurídicos dos Estados-Membros
  • Abrir oportunidades para o arranque e a expansão das empresas da economia social
  • Aumentar o reconhecimento do valor e do potencial da economia social

Todas estas medidas podem vir a ajudar a União Europeia a atingir o objetivo de aumentar o emprego e de retirar 15 milhões de pessoas da pobreza ou da exclusão social até 2030.

Melhorar as políticas e os quadros jurídicos dos Estados-Membros

No seu plano de ação, a Comissão Europeia contempla a criação de quadros políticos e jurídicos sólidos adaptados às necessidades da economia social

Para tal, adotou, a 13 de junho de 2023, uma proposta de recomendação do Conselho com vista a promover o acesso ao mercado de trabalho e melhorar a inclusão social, ajudando os Estados-Membros a integrar a economia social a nível político.

Ao apoiar a economia social, a proposta espera também incentivar a inovação social, o desenvolvimento económico e industrial sustentável e contribuir para a coesão territorial na União Europeia.

Aos Estados-Membros foram também dadas orientações sobre os quadros de tributação das organizações da economia social.

Oportunidades para o arranque e a expansão das empresas da economia social

Bruxelas sublinha que as entidades da economia social devem beneficiar ainda de apoio no arranque e desenvolvimentos, bem como para a requalificação dos trabalhadores.

Para o período de 2021-2027, a Comissão Europeia pretende aumentar o seu apoio para além dos 2,5 mil milhões de euros atribuídos entre 2014-2020 à economia social. .

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Balanço das perspetivas económicas na Europa para 2024 e mais além