EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Risco de bolha imobiliária esvazia-se em todo o mundo - exceto numa cidade europeia

Imagem de stock da bolha imobiliária
Imagem de stock da bolha imobiliária Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  James Thomas
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Frankfurt, Munique e Amesterdão são as cidades europeias que desceram para uma categoria de risco inferior.

PUBLICIDADE

O risco de uma bolha imobiliária diminuiu globalmente após correções de preços em 25 cidades de todo o mundo, de acordo com um estudo do banco suíço UBS.

Segundo a última edição do Índice Global de Bolhas Imobiliárias do UBS, publicada na quarta-feira, só duas cidades - Zurique e Tóquio - permanecem na categoria de "risco de bolha", em comparação com nove cidades no ano passado.

Frankfurt, Munique e Amesterdão são as cidades europeias que passaram para a categoria de menor risco de "sobrevalorização" juntando-se a Genebra, Londres, Estocolmo e Paris, que não sofreram alterações em relação ao ano anterior.

Madrid também registou uma diminuição dos desequilíbrios dos preços do imobiliário, segundo a UBS, o que significa que está agora "razoavelmente valorizada", juntamente com Milão e Varsóvia.

Uma bolha imobiliária ocorre quando os preços dos imóveis sobem a um ritmo rápido e insustentável devido a um aumento da procura e a uma oferta limitada. A dada altura, a procura congela ou diminui subitamente, levando a uma queda acentuada dos preços que faz rebentar a bolha.

Um castelo de cartas a abanar

O UBS atribui o declínio geral dos desequilíbrios do mercado imobiliário à atual conjuntura económica, que registou um aumento global da inflação e das taxas de juro nos últimos dois anos devido à invasão da Ucrânia pela Rússia e à pandemia de Covid-19, entre outros fatores.

De meados de 2022 a meados de 2023, os preços reais da habitação nas 25 cidades analisadas pelo UBS registaram uma queda média de 5%, afirmou o banco, acrescentando que é provável que os preços continuem a descer.

A maior queda registou-se em Frankfurt e Toronto, segundo o UBS, onde os preços caíram 15%. As duas cidades obtiveram as classificações de risco mais elevadas na edição do ano passado do relatório do UBS.

"Os baixos custos de financiamento têm sido a força-motriz dos mercados imobiliários mundiais na última década, levando os preços das casas a alturas vertiginosas", afirmam os autores do relatório. "No entanto, o fim abrupto do ambiente de baixas taxas de juro abalou o castelo de cartas."

Atualmente, apenas Zurique, onde se situa a sede da UBS, e Tóquio correm o risco de uma bolha imobiliária, segundo o relatório.

No caso da primeira, os preços reais das casas continuaram a subir ao longo de 2023, embora a um ritmo mais lento do que nos anos anteriores, disse o UBS, enquanto o crescimento do aluguer acelerou acentuadamente e ultrapassou o crescimento do preço das casas.

"Como a oferta de moradias disponíveis voltou aos níveis pré-pandémicos entre o aumento dos custos de financiamento, não esperamos ver mais alta de preços", acrescentou o banco.

O acesso à habitação continua a ser um problema

Embora Paris e Londres tenham registado correções de preços e apresentem um risco de bolha inferior ao de Zurique, a queda dos preços não foi suficiente para melhorar significativamente o acesso à habitação, segundo o UBS.

Os preços continuam desligados dos salários em Paris e Londres, diz o banco, observando que a compra de uma casa de 60 metros quadrados ainda representa 10 anos de salário anual para um trabalhador qualificado do setor dos serviços.

Perante este desfasamento, o UBS considera provável uma nova descida dos preços se as taxas de juro se mantiverem nos níveis elevados atuais, mesmo que a escassez de habitação possa recuperar.

Na semana passada, o Banco Central Europeu aumentou as taxas de juro para 4%. O Banco de Inglaterra deverá anunciar a sua última decisão sobre as taxas de juro na quinta-feira.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Em que países europeus é que os preços dos imóveis mais aumentaram desde 2015?

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos

Eleições europeias: será que a onda de extrema-direita vai pressionar o sector das energias renováveis?