EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Trabalhar na Europa: quais os países com mais ofertas de emprego e que funções são mais procuradas?

Ficheiro - Num restaurante de fast food, está afixado um cartaz de contratação.
Ficheiro - Num restaurante de fast food, está afixado um cartaz de contratação. Direitos de autor Nam Y. Huh/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Nam Y. Huh/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Sudesh Baniya
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Apesar da descida na taxa de ofertas de emprego, continuam a existir preocupações sobre uma maior escassez de mão-de-obra.

PUBLICIDADE

O mercado de trabalho europeu está a recuperar - ou pelo menos a dar sinais de recuperação - das repercussões da pandemia de Covid-19, mas ainda está longe de satisfazer a procura.

As últimas estatísticas revelam uma diminuição das vagas no mercado de trabalho, tendo o emprego também aumentado no segundo trimestre do ano.

A taxa de postos de trabalho vagos - a proporção do total de postos que estão vagos - diminuiu de 2,8% no primeiro trimestre para 2,7%.

No mesmo período, a taxa de emprego das pessoas com idades compreendidas entre os 20 e os 64 anos situou-se em 75,4%, o que representa um ligeiro aumento de 0,1 pontos percentuais.

No entanto, este facto é secundário em relação à tendência mais geral: a taxa de ofertas de emprego a longo prazo na União Europeia (UE) tem continuado a aumentar anualmente, não conseguindo fazer corresponder a oferta à procura.

A taxa de ofertas de emprego na UE tem continuado a aumentar desde 2020, quando muitas pessoas foram dispensadas ou despedidas para cortar custos devido à pandemia.

Apesar de um aumento da taxa de emprego no segundo trimestre, um relatório anterior da Comissão Europeia afirmou que existe escassez de mão-de-obra e falta de competências.

A criação de novos empregos e a necessidade de substituir os trabalhadores que se reformam estão a causar "escassez", que se reflete nestas estatísticas, acrescentou o executivo comunitário.

De acordo com o relatório, a escassez de mão-de-obra irá, provavelmente, aumentar, uma vez que se prevê um declínio da população em idade ativa de 265 milhões em 2022 para 258 milhões em 2030.

Que país tem mais ofertas de emprego?

Entre os Estados-Membros da União Europeia com dados disponíveis no Eurostat, o gabinete de estatísticas da UE, os Países Baixos registam a taxa de emprego vago mais elevada do bloco, com 4,7% do total de postos de trabalho ainda por preencher.

A Bulgária e a Roménia, por outro lado, registaram apenas uma taxa de emprego vago de 0,8% no mesmo trimestre.

Entre as vagas anunciadas online no mesmo período, os programadores de software e os assistentes de vendas foram os mais procurados.

Os empregos nas áreas da publicidade, marketing e produção também registaram um número significativo de vagas, para além da engenharia e da investigação e desenvolvimento.

A escassez de mão-de-obra na Europa mantém os postos de trabalho vagos?

Em comparação com as taxas de ofertas de emprego do segundo trimestre de 2021 e 2022, o valor deste ano situa-se entre os dois.

A taxa de empregos vagos na UE situou-se em 2,2% no segundo trimestre de 2021, imediatamente após a abertura dos principais mercados. Atingiu 3% no segundo trimestre de 2022 e começou a descer desde então.

As estatísticas nacionais mostram a dificuldade do continente em preencher os postos de trabalho, muitas vezes atribuída à falta de mão-de-obra qualificada.

De acordo com o Eurostat, mais de 75% das empresas da UE já têm dificuldades em encontrar profissionais com as competências necessárias para preencher os postos de trabalho, o que dificulta o crescimento económico.

A nova lei da imigração do Governo alemão, aprovada em agosto, visa atrair trabalhadores qualificados de países terceiros para combater a escassez de mão-de-obra no país.

PUBLICIDADE

O Governo dinamarquês também aprovou um visto de três anos para os estudantes internacionais que desejem trabalhar após a conclusão da licenciatura para preencher postos de trabalho.

Por outro lado, cerca de 27,5 milhões de pessoas da população ativa da UE declararam estar desempregadas, subempregadas, à procura de emprego, mas não imediatamente disponíveis, ou disponíveis mas não à procura de emprego.

Isto significa que um pouco mais de 1 em cada 8 pessoas na União Europeia está exposta à "folga" do mercado de trabalho, definida pela Organização Internacional do Trabalho como "a diferença entre o volume de trabalho desejado pelos trabalhadores e o volume de trabalho remunerado disponível."

A taxa de desemprego na União Europeia tem vindo a diminuir desde 2020, causada "não por um aumento do desemprego, mas sim pelo aumento do número de pessoas disponíveis para trabalhar, mas que não o procuram", de acordo com o relatório do Eurostat.

Isso levou a que os postos de trabalho ficassem vagos, daí as mudanças não significativas nas taxas de vagas, incluindo o último trimestre, acrescenta o documento.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quais são os principais obstáculos à procura de emprego para os refugiados ucranianos?

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos