Como está o Japão a utilizar os seus conhecimentos para ajudar a Ucrânia a recuperar?

Como está o Japão a utilizar os seus conhecimentos para ajudar a Ucrânia a recuperar?
Direitos de autor euronews
De  Cinzia Rizzi
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A recuperação e a reconstrução fazem parte do ADN do Japão. O país asiático está a ajudar a Ucrânia devastada pela guerra, de várias formas que incluem, a gestão da eliminação de resíduos, a construção de infraestruturas e a prestação de ajuda humanitária.

PUBLICIDADE

Ao aproximar-se o segundo aniversário da invasão da Ucrânia por Moscovo, a repórter do Euronews Cinzia Rizzi foi a Tóquio para saber mais como o Japão está a apoiar o país devastado pela guerra. O país asiático prepara-se para a Conferência Japão-Ucrânia com vista à promoção da reconstrução económica.

Apesar de ter ficado quase sem nada após a Segunda Guerra Mundial, o Japão recuperou rapidamente, com o período recorde de crescimento económico a ganhar o título de "Milagre Económico Japonês". As suas competências em diversos domínios têm ajudado o Japão a reagir rapidamente na sequência de grandes catástrofes desde então.

O país está agora a utilizar o seu know-how para ajudar a Ucrânia e, neste episódio de Focus, exploramos alguns desses casos. Começamos com um projeto de eliminação de resíduos, promovido pela Agência de Cooperação Internacional do Japão. Em seguida, analisamos as empresas privadas que estão a construir infraestruturas, como uma ponte que liga o sudoeste da Ucrânia à Roménia, com o objetivo de incrementar a conetividade entre a Ucrânia e a UE.

A ajuda humanitária desempenha um papel importante na missão de ajuda japonesa, enquanto startups como a Instalimb estão a partilhar o seu conhecimento com os ucranianos para ajudar a produzir próteses. Mais de 2.500 ucranianos que tiveram de fugir do seu país instalaram-se no Japão, numa ação financiada pelo governo e por organizações sem fins lucrativos, como a Nippon Foundation.

Partilhe esta notícia