EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Maior exposição do movimento Zero fica em Berlim até 8 de junho

Maior exposição do movimento Zero fica em Berlim até 8 de junho
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O Zero é um movimento de arte vanguardista alemão surgido após a II Guerra Mundial e é a base de uma exposição que acaba de abrir em Berlim. Era uma

PUBLICIDADE

O Zero é um movimento de arte vanguardista alemão surgido após a II Guerra Mundial e é a base de uma exposição que acaba de abrir em Berlim. Era uma corrente focada na luz e no dinamismo, que procurava dar algum otimismo à arte depois dos anos cinzentos do pós-guerra.

A exposição está patente no museu Martin-Gropius-Bau. São 3.000 metros quadrados preenchidos com cerca de 175 obras numa retrospetiva dos 10 anos em que durou este o movimento Zero desde que foi fundado em 1957.

Kostenlos zur ZERO-Ausstellung? Wer am 11.4. ab 20h weiß gekleidet zur PerformanceNacht kommt, zahlt nix #MuseumWeekpic.twitter.com/tZfAfiwihY

— Martin-Gropius-Bau (@GropiusBau) 24 março 2015

“Quando começaram, eles procuraram partir de facto do zero. Era uma altura de pós-guerra em que a cultura germânica estava como que falida. Ninguém sabia como a relançar ou sequer como fazer arte. Queriam começar do nada e este foi um dos momentos. Colocaram de parte as tradicionais formas de pintar. Já não estavam a fazer pinturas de luz, eles estavam a utilizar a própria luz”, explica Daniel Birnbaum, representante da Fundação Zero e diretor do Museu de Arte Moderna de Estocolmo, na Suécia.

Os fundadores do Zero foram Heinz Mack e Otto Piene. Mais tarde juntou-se-lhes Guenther Uecker. O movimento é visto por alguns como uma reação ao expressionismo abstrato, numa corrente em que a arte deve ser desprovida de cor, de emoção ou de expressão do indivíduo. A própria palavra “zero” expressa “uma zona de silêncio, virgem, um novo começo.”

Holandês de nascimento, a viver na Alemanha, Herman de Vries, de 84 anos, ainda hoje gosta de voltar ao começo: “O Zero representa liberdade, é ter a mente aberta. É um ponto ao qual podemos sempre regressar. O Zero é como um portão, um portão que está aberto e esse portão está em toda a parte. E toda a parte não é lado nenhum. Lado nenhum… é isto”

O movimento “Zero” extinguiu-se em 1967. Mas o interesse nesta corrente de arte tem ressurgido nos últimos anos, com algumas obras a serem arrebatas por altos valores em leilões.

Os promotores garantem, entretanto, que em Berlim está a maior coleção jamais reunida do movimento Zero. A exposição mantém-se no Martin-Gropius-Bau até 8 de junho. Em julho, muda-se para o Museu Stedelijk, em Amesterdão, na Holanda.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estilista saudita Reem al Kanhal reinventa vestidos árabes tradicionais

Banda sonora da Guerra das Estrelas em 3D

Novas séries de televisão apresentadas no Festival de Monte Carlo