EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

"Tannhäuser" de Wagner sobe ao palco com sotaque francês

Em parceria com
"Tannhäuser" de Wagner sobe ao palco com sotaque francês
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em 1861, Wagner estava determinado a conquistar Paris. Aceitou traduzir uma obra em francês e incorporar um ballet tradicional na sua ópera. Foi um enorme fracasso. Mesmo assim, muitos ainda querem ve

“Tannhäuser”, uma obra-prima de Wagner, caracterizada por temas eternos como a “redenção” e o amor carnal versus espiritual, também teve uma versão francesa.

Em 1861, Wagner estava determinado a conquistar Paris. Aceitou traduzir uma obra em francês e incorporar um ballet tradicional na sua ópera. Foi um enorme fracasso.
Mesmo assim, muitos ainda querem ver esta versão de “Tannhäuser”. A Ópera de Monte Carlo fez deste sonho uma realidade graças ao seu Diretor-Geral, Jean-Louis Grinda: “o que me fez sentir que devia fazer “Tannhäuser” na versão de Paris de 1861 foi simplesmente o meu pai. A língua francesa acrescenta uma poesia totalmente diferente em comparação com o alemão… Existe uma suavidade e uma fragilidade – e não sinto o mesmo nas duas línguas. Há também uma espécie de poesia que encantou os que viram a ópera quando estreou: como Baudelaire. E, na verdade, Baudelaire inspirou-me a levar a cabo esta produção”.

First french #tannhäuser since 75 years #operamontecarlo. Fantastic nathstutzmann</a> moving <a href="https://twitter.com/hashtag/josecura?src=hash">#josecura</a> effektive <a href="https://twitter.com/hashtag/jeanlouisgrinda?src=hash">#jeanlouisgrinda</a> a revelation! <a href="https://t.co/Nx23TFzfPY">pic.twitter.com/Nx23TFzfPY</a></p>&mdash; Manuel Brug (ManuelBrug) February 26, 2017

Nathalie Stutzmann é a maestro: “Conversei com o diretor de palco ontem e dissemos que ambos somos destemidos. Quando me convidou para dirigir Tannhäuser aceitei imediatamente. É o meu estilo. Depois descobri os onze quilos de partituras e achei que estava louca, mas é um desafio extraordinário. Acredito que crescemos através de certas obras de arte; chega-se a uma dimensão mais elevada… E quando se trabalha em peças que são como “maratonas”, como uma corrida de 100 metros, a nossa gestão do tempo, enquanto maestros é extremamente importante e há que construir a arquitetura da noite e gerir os tempos ao longo da ópera. Existem centenas de tempos por isso encaramos o tempo de forma completamente diferente, como uma prova de resistência ou uma corrida de 100 metros… Temos que desenvolver a arquitetura da peça ao mais ínfimo pormenor e aprendemos muito com isso!”

“Tannhäuser é um artista, um artista amaldiçoado… Podia ser o Mick Jagger dos tempos modernos ou qualquer outro artista controverso, odiado, mas encantador, que é impossível não gostar apesar de se criticar. Creio que o próprio Richard Wagner estava obcecado com Tannhäuser, porque… Não seria ele próprio Tannhäuser, o artista criticado e amaldiçoado?

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Talentoso jovem maestro ganha Prémio Herbert von Karajan

Prémio Herbert von Karajan para Jovens Maestros: uma experiência emocionante

"Champion", a vida do pugilista Emile Griffith numa ópera-jazz