EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Falámos com Benjamin Bernheim momentos antes da estreia de "Elixir de Amor"

Em parceria com
Falámos com Benjamin Bernheim momentos antes da estreia de "Elixir de Amor"
Direitos de autor 
De  Anne GlémarecAntónio Oliveira e Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O tenor francês dá vida ao apaixonado Nemorino, que tudo faz para conquistar Adina.

O tenor francês Benjamin Bernheim falou com a Euronews na noite de estreia de Elixir de Amor, de Gaetano Donzetti, de 1832, na Ópera Estatal de Viena, a Staastoper.

Um momento intimista a não perder neste bónus web.

"Como é a primeira vez que trabalho aqui e como é a primeira vez que faço este papel, tudo o que quero é conseguir faze-lo com serenidade. Se o público gostar, claro que ficarei feliz", explicou Bernheim.

"Estamos a mais ou menos a uma hora e vinte, uma hora e um quarto do espetáculo. Estou contente."

Benjamin Bernheim é maquilhado enquanto fala connosco. Não conhece ainda os cenários criados para Elixir de Amor na Staatoper.

"Ainda não vi o palco, mas passo por lá em 10 minutos e vou descobrir tudo, o cenário, o som, as madeiras, os odores... É quando nos sentimos mais criativos, porque estamos num ambiente novo, num lugar que desconhecemos e, normalmente, é nestes momentos que mais coisas se passam, coisas interessantes."

Mas a verdade é que o tenor francês tem rituais que cumpre escrupulosamente antes de qualquer prestação. Rituais que passam pelo conhecimento do espaço, do cheiro e da energia onde canta:

"Normalmente, quando canto, seja qual for a situação, vou sempre ao palco antes de começar o espetáculo, para impregnar-me com esse palco, com essa energia. É algo que faço sempre. Venho sempre cedo porque gosto de sentir essa calma do teatro, de sentir o teatro."

Um aquecimento sem pressas

Importante também, explicou Bernheim à Euronews, é o aquecimento, algo que faz sem pressas e sem nervos. O importante é a tranquilidade:

"Aqueci a voz, calmamente, bem devagar, há alguns minutos, sem esforçar demasiado a coisa. Preocupo-me sempre com isso tenho o cuidado de não cantar no dia anterior a um espetáculo e de poupar energia. É uma forma de estar. É preciso que aprendamos a conhecer-nos. É preciso ouvir o nosso corpo e a nossa voz. E respeitarmos o nosso instrumento."

Acima de tudo, o tenor tem consciência do grau de exigência d a presença em palco de quem encarna uma das personagens principais da ópera de Donzetti:

"Não exigimos a mesma coisa a quem canta ópera e a quem canta rock. Não temos microfone e não temos ajuda em termos de som. É a voz, sozinha, que deve conseguir impor-se a uma orquestra e isso é algo muito sério."

Nome do jornalista • Anne Glémarec

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A estreia de "Elixir de Amor," de Donzetti, na Staatsoper de Viena

Talentoso jovem maestro ganha Prémio Herbert von Karajan

Prémio Herbert von Karajan para Jovens Maestros: uma experiência emocionante