EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Lina Wertmüller: "É a história que me guia"

Lina Wertmüller: "É a história que me guia"
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Lina Wertmüller, a primeira mulher a ser nomeada para o Óscar de "Melhor Realizador", vai receber um Óscar honorário. Na sua casa, em Roma, falou com a Euronews sobre a indústria do cinema.

PUBLICIDADE

Los Angeles prepara-se para homenagear com um Óscar honorário a primeira mulher a ser nomeada para uma estatueta de melhor realizadora.

Aos 91 anos, Lina Wertmüller é vista como uma das melhores no universo da sétima arte. Na sua casa, em Roma, falou à Euronews sobre o que pensa da indústria na atualidade.

Jack Parrock, Euronews: Recebeu vários prémios ao longo da carreira. Este tem um sabor diferente?

Lina Wertmüller: "Claro. Este um prémio é especial para mim, que me deixa muito satisfeita e honrada".

A história da família Wertmüller extravasa fronteiras na Europa. O nome germânico da realizadora italiana tem origem na Suíça.

J.P.: Um dos temas mais fraturantes em Itália é o da crise migratória e a forma como os políticos lidam com ela, Como se explora esse tema num filme?

L.W.: "Este é um tema importante que faz parte da nossa história, da minha história, portanto lidaria com ele da forma que achasse mais adequada à situação. Quando me apaixono por uma história, deixo-me levar por ela, é a história que me guia, não sei explicar, não há nada de pré-fabricado".

Os estereótipos quebrados ao longo da carreira deram a Lina Wertmüller o estatuto de ícone feminista. Mas, hoje-em-dia, algumas das cenas que filmou poderiam ser questionadas por um público feminista mais jovem.

J.P.: De que forma incentivaria, ou aconselharia uma mulher a trabalhar numa indústria ainda muito dominada por homens, como a do cinema?

L.W.: "Depende. Se pensarmos, por exemplo, numa atriz muito boa, ela tem um poder por vezes maior que o dos homens, portanto, não é uma questão de género, mas do poder que cada um de nós tem na indústria"

Desde a nomeação de Lina Wertmüller, apenas quatro mulheres foram nomeadas para o Óscar de melhor realizadora, Um marco na história do cinema que promete manter vivo o trabalho da realizadora italiana ao longo das próximas gerações

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Gael García Bernal no Festival de cinema Lumière

Coppola galardoado na cidade berço do cinema

Toni Kroos de estrela do futebol a estrela de cinema