EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Gael García Bernal no Festival de cinema Lumière

Gael García Bernal no Festival de cinema Lumière
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ator mexicano também se destaca na realização. "Chicuarotes" é o mais recente filme. Os personagens Cagalera (Benny Emmanuel) e Moloteco (Gabriel Carbajal) são dois amigos adolescentes que vivem num bairro periférico da Cidade do México e acabam no mundo do crime

PUBLICIDADE

De palhaços de rua, que tentam ganhar a vida a fazer rir, a assaltantes, que começam com pequenos crimes até se embrenharem numa espiral de violência difícil de deter.

"Chicuarotes", a mais recente película realizada pelo também ator mexicano Gael García Bernal, tem como pano de fundo a vida em San Gregorio de Atlapulco, bairro pobre na Cidade do México.

Apresentado em Cannes, este e outros trabalhos de García Bernal também estiveram em destaque no Festival de cinema Lumière, em Lyon, com uma retrospetiva.

Em entrevista à Euronews, o ator falou de projetos e do compromisso com o México e a América Latina.

"Sinto que o cinema mexicano e latino-americano têm muito a oferecer-me. É o lugar onde posso exprimir-me realmente, onde posso (...) aproveitar a sorte que o destino me deu de nascer no México", sublinhou García Bernal.

"Chicuarotes" é o nome pelo qual são conhecidos os habitantes de San Gregorio de Atlapulco, dominados pelo estigma da indiferença social. O desespero dos mais jovens atira-os com frequência para variadas formas de violência.

"A violência doméstica é a mais silenciosa e difícil de controlar de alguma forma. Também é a mais difícil de evitar. Obviamente que ao fazer um filme estamos a ser otimistas", explica o realizador mexicano, referindo-se ao tema da violência doméstica presente no filme.

Pimenta típica da região, "Chicuarote" é também a alcunha dada aos habitantes de San Gregorio. Com a mesma acidez do bairro no sul da Cidade do México, o filme mostra o dia-a-dia sombrio a par da luta da sobrevivência.

"No filme Chicuarotes, o personagem de Cagalera é carne para canhão. É mais um recruta junto do qual alguém se pode aproximar e convidar para se juntar. (...) Ao faltar justiça social, não há hipótese de existir paz, definitivamente", lembra o realizador.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Lina Wertmüller: "É a história que me guia"

Realizador Ken Loach critica o Brexit

Marcha em Roma pelas vítimas das máfias