EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Antiguidades de sangue" roubadas geram milhões em mercados de arte europeus

"Antiguidades de sangue" roubadas geram milhões em mercados de arte europeus
Direitos de autor France Télévisions
Direitos de autor France Télévisions
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Obras de arte provenientes de zonas em conflito são cada vez mais roubadas para serem vendidas em mercados de arte europeus. O saque, tal como tráfico, alertam os especialistas, é ilegal.

PUBLICIDADE

Vêm do Egito, da Síria, da Líbia ou do Iraque; todas estas peças provêm diretamente de zonas de conflito e por essa razão são chamadas "antiguidades de sangue".

Com a crise da covid-19, é cada vez mais frequente ver antiguidades a circular pelas redes sociais. 

Para Vincent Michel, arqueólogo da Universidade de Poitiers e diretor da missão francesa na Líbia, não há margem para dúvidas de que os montantes a que estas peças são vendidas "podem financiar o terrorismo", mas que, independentemente de haver sangue derramado nos respetivos locais de origem, elas estarão sempre a ser "retiradas de forma ilegal destes países".

As peças roubadas seguem para o circuito comercial e chegam mesmo a entrar nos principais mercados de arte europeus.

Cécile Colonna e Morgan Belzic são investigadores arqueológicos e dedicam-se há vários anos a seguir o rasto de antiguidades traficadas. Registam todas as obras roubadas que acabam nas mãos dos negociantes de arte.

Entre as peças que constam do registo, o investigador aponta para a imagem de um busto e revela que o "retrato foi vendido em 2015 por Bonhams com uma menção muito interessante. Dizem-nos que provém da coleção de um Sr. S., em Zurique, na Suíça, nos anos 90. Mas temos fotografias tiradas pelos saqueadores, datadas de 2013-2014 e são o resultado de trocas nas redes sociais pelos saqueadores que tentam esgotar o stock, provavelmente de um túmulo".

Encontrar obras de arte saqueadas pode em breve vir a ser uma tarefa mais fácil, através de uma aplicação já usada por alfândegas.

Com uma simples fotografia do objeto, é possível ter várias informações úteis, como, por exemplo, a origem geográfica.

O tráfico de obras de arte, estima a UNESCO, gera entre 3 e 15 mil milhões de euros por ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Lutar contra o tráfico de antiguidades dos países em conflito

EUA ajudam grupo Estado Islâmico a lucrar com venda de antiguidades

Art Paris 2024: a cena artística francesa no centro das atenções, com jovens talentos em destaque