EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Capela Sistina: exposição itinerante chega a Madrid

A exposição já passou por vários países, como China, Austrália e EUA.
A exposição já passou por vários países, como China, Austrália e EUA. Direitos de autor Gregorio Borgia/AP (ARQUIVO)
Direitos de autor Gregorio Borgia/AP (ARQUIVO)
De  Teresa Bizarro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Reproduções de elevada qualidade e quase em tamanho real expostas até 27 de fevereiro na capital espanhola

PUBLICIDADE

Reza a história que quando o Papa Júlio II contratou Miguel Ângelo para pintar os frescos da Capela Sistina não sabia bem o que esperar. O pintor era, até essa altura, mais conhecido pela forma como esculpia vida no mármore e demorou quatro anos a terminar a obra que agora pode ser vista em detalhe em reproduções de elevada precisão.

Da criação do mundo, à evocação dos profetas que lhe moldaram a história. Há dezenas de quadros à mão de apreciar, em Madrid, Espanha.

"Aqui encontram-se 34 reproduções fotográficas de frescos da Capela Sistina. A diferença é que na verdadeira Capela Sistina há uma grande fila para entrar, 15 minutos para ver tudo, muitagente e, mais importante, tem uma distância de 20 metros até ao teto para ver as obras-primas. Aqui, as obras-primas são em escala real e com a mesma qualidade, mas tem-nas à frente a menos de um metro," diz Tobias Lerman Matonte, produtor da exposição.

"Capela Sistina de Miguel Ângelo: A Exposição" tem andado a correr mundo desde 2015. Chegou este mês a Espanha. Para ver nas galerias do Centro Comercial Moda, em Madrid, até 27 de fevereiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Art Paris 2024: a cena artística francesa no centro das atenções, com jovens talentos em destaque

Andrey Gugnin recebe o primeiro prémio de 150.000€ no Concurso Internacional de Piano Clássico 2024

Festival Balkan Trafik! dá destaque à Moldova e às suas minorias